CCCC elimina obstáculo para a compra da Mota-Engil

CCCC elimina obstáculo para a compra da Mota-Engil

Os acionistas da Mota-Engil aprovaram uma alteração aos estatutos da empresa que elimina a possibilidade de a China Communications Construction Company (CCCC) ter de lançar uma OPA no respetivo negócio para comprar uma participação na maior empresa de construção portuguesa

De acordo com uma declaração divulgada pela Mota-Engil, a recente Assembleia Geral de Acionistas (AG), realizada no Porto, aprovou por mais de 99% dos votos a alteração parcial dos estatutos da empresa.

Numa anterior comunicação da Mota-Engil, a empresa esclarecia que a alteração dos estatutos pretendia evitar a possibilidade de a CCCC poder ser obrigada a lançar uma Oferta Pública de Aquisição sobre as ações da empresa.

Os estatutos anteriores da Mota-Engil concediam a um acionista (ou grupo de acionistas) detentor de pelo menos 30% do capital social, o direito de impedir a aprovação pela assembleia geral de deliberações sobre diversas matérias, bem como o direito de designar um terço dos membros do órgão de administração.

Uma vez que a CCCC irá adquirir cerca de um terço do capital da empresa cotada na bolsa de valores portuguesa, o regulador poderia concluir que a CCCC exercia o controlo e, portanto, teria de lançar uma oferta de compra de participações minoritárias.

Uma das condições precedentes para o acordo da Mota-Engil com a CCCC consistia na confirmação pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de que o acordo e as operações nelas previstas não impõem uma obrigação de lançar uma oferta pública de aquisição.

Com um volume de negócios superior a 26,6 mil milhões de patacas, a Mota-Engil está presente, além de Portugal, em Espanha, Irlanda, Reino Unido e Polónia.

Em África, opera em 11 mercados, sendo o líder em Angola e Moçambique, e na América Latina em sete países. Estas duas regiões valeram mais de 18 mil milhões de patacas de vendas nas contas de 2019.

A maior empresa de construção portuguesa terminou 2019 com uma dívida líquida de mais de cerca de 11,4 mil milhões de patacas e, invocando os efeitos da pandemia, em Abril de 2020 pediu moratórias de cerca de dois mil milhões de patacas aos bancos.

A CCCC, onde o Estado chinês detém uma posição de 63,8% através da Comissão de Supervisão e Administração do Património do Estado do Conselho de Estado, tem um volume de negócios de 633 mil milhões de patacas com apenas 17% a obter nos mercados estrangeiros, de acordo com o relatório da Deloitte Powers of Construction 2019.

Assine nossa Newsletter