Brasileira Petrobras aprova venda de refinaria por 1,40 mil milhões de euros - Plataforma Media

Brasileira Petrobras aprova venda de refinaria por 1,40 mil milhões de euros

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou na quarta-feira a venda de uma refinaria por 1,65 mil milhões de dólares (1,40 mil milhões de euros) ao fundo de investimentos Mubadala Capital, dos Emirados Árabes Unidos.

Trata-se da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), localizada no Estado da Bahia e que tem capacidade de processamento de 333 mil barris de petróleo por dia (14% da capacidade total de refinação de petróleo do Brasil), e é a primeira das oito refinarias incluídas no plano de desinvestimento da estatal.

“A assinatura do contrato de venda ocorrerá em breve”, informou em comunicado aquela que é a maior empresa do Brasil, no qual esclareceu que o valor acordado será reajustado com base nas variações do capital de giro, dívida líquida e investimentos até esse momento.

A empresa também salientou que a operação ainda depende da aprovação de órgãos reguladores, incluindo o Conselho Administrativo de Defesa Económica (CADE, órgão antimonopólio).

Segundo a Petrobras, o negócio inclui a venda de todos os ativos associados à refinaria, como quatro terminais de armazenamento e um conjunto de tubulações com extensão total de 669 quilómetros.

A RLAM “será a primeira refinaria entre as oito que estão em processo de venda a ter um contrato assinado”, destaca o comunicado.

A petrolífera acrescentou que, após a venda de oito das suas treze refinarias, permanecerá com uma capacidade de refino de 1,15 milhões de barris por dia, com foco na produção de combustíveis mais eficientes e sustentáveis.

“Hoje é um dia muito feliz para a Petrobras e para o Brasil. É o início do fim do monopólio (do refino) numa economia ainda com monopólios em diversas atividades”, comemorou o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, citado na nota.

“O desinvestimento da RLAM contribui para reduzir o ainda elevado endividamento da empresa e para iniciar um processo de redução dos riscos de intervenções políticas na definição dos preços dos combustíveis que causaram tantas perdas à Petrobras e à economia brasileira”, acrescentou.

A substituição de Castello Branco na presidência da Petrobras pelo general do Exército Joaquim Silva e Luna foi anunciada no mês passado pelo Presidente, Jair Bolsonaro, – que pode ser concluída em abril na assembleia de acionistas da empresa – justamente devido às críticas do chefe de Estado às políticas de preços da estatal.

Por sua vez, o diretor executivo da Mubadala Capital no Brasil, Oscar Fahlgren, afirmou que o negócio pode ser o ponto de partida para novos investimentos daquele fundo em ativos de energia no país.

“Pretendemos otimizar a utilização dos ativos da RLAM e de toda a sua capacidade instalada para investir em projetos de expansão e melhoria. Acreditamos que, quando concluirmos o negócio, seremos capazes de atrair parceiros globais para o setor e multiplicar os impactos positivos gerados”, declarou.

A Petrobras, controlada pelo Estado mas com ações negociadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madrid, lançou em 2019 um plano de venda de oito refinarias, responsáveis por metade da capacidade de refino do país.

A venda faz parte de um ambicioso plano de desinvestimento com o qual a petrolífera pretende reajustar o seu tamanho e a sua enorme divida, e concentrar-se em atividades mais estratégicas e rentáveis, como a exploração de petróleo e gás nas gigantescas reservas que possui em águas muito profundas do Atlântico.

Related posts
BrasilChina

Estaleiro de Dalian constrói maior plataforma petrolífera do mundo

Brasil

Regulador aprova primeira venda de uma refinaria da brasileira Petrobras

BrasilEconomia

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

BrasilEconomia

Bolsonaro implodiu programa liberal do Governo ao intervir na Petrobras

Assine nossa Newsletter