Direitos humanos: UE, EUA, Canadá e RU adoptam sanções contra a China

Direitos humanos: UE, EUA, Canadá e RU adoptam sanções contra a China

Um espetro assombra o Ocidente – o espetro da China. Todas as potências fizeram uma santa aliança para exorcizar esse espetro: União Europeia, EUA, Canadá, Reino Unido adoptam as mesmas sanções. Duas coisas resultam desse facto: a China já é reconhecida por todas as potências ocidentais como sendo ela própria uma potência; chegou o tempo dos chineses publicarem abertamente, diante do mundo todo, os seus pontos de vista, os seus objectivos e as suas tendências. Assim acontece

O Conselho da União Europeia (UE) aprovou na segunda-feira sanções contra 11 pessoas e quatro entidades por violação dos direitos humanos, sendo a primeira vez desde Tiananmen que há visados na China por medidas restritivas. Segundo um comunicado do Conselho, os casos de violações e atropelos graves de direitos humanos visados por sanções incluem detenções arbitrárias em grande escala, em particular de uigures em Xinjiang, na China. Esta é a primeira imposição de sanções da UE à China desde o embargo de venda de armamento de 1989, na sequência dos incidentes da Praça de Tiananmen, em Pequim.

As pessoas e entidades constantes da lista estão sujeitas ao congelamento de bens na UE e os indivíduos estão ainda sujeitos à proibição de viajar para a UE. Além disso, é proibido a pessoas e entidades da UE colocarem fundos à disposição de quem esteja incluído na lista de sanções.

O Reino Unido e os Estados Unidos juntaram-se também na segunda-feira, numa acção conjunta com a UE e o Canadá, na imposição de sanções a responsáveis chineses por abusos dos direitos humanos contra uigures.

Leia mais em Hoje Macau

Related posts
PortugalSociedade

Advogado Francisco Teixeira da Mota vence Prémio Nelson Mandela da PróPública

MundoSociedade

ONU: Direitos humanos não devem ser visto como "aspirações teóricas"

MundoPolítica

Venezuela julga agentes envolvidos em violações dos Direitos Humanos

ChinaPolítica

Nova Zelândia reconhece que divergências com a China são "mais difíceis" de conciliar

Assine nossa Newsletter