Reino Unido alerta que seria 'contraproducente' bloquear exportações da AstraZeneca

Reino Unido alerta que seria ‘contraproducente’ bloquear exportações da AstraZeneca

O ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, alertou neste domingo (21) que seria “contraproducente” bloquear as exportações da AstraZeneca, como ameaçou fazer a presidente da Comissão Europeia ontem caso a UE não receba suas remessas primeiro

“A União Europeia sabe que o resto do mundo assiste à maneira como a Comissão se comporta”, disse Wallace ao canal SkyNews. “O rompimento de contratos e compromissos seria muito prejudicial para um bloco comercial que se gaba de (respeitar) a lei”, acrescentou.

Ele garantiu que isso seria “contraproducente”. Ao destacar o caráter colaborativo da produção de vacinas que envolve vários países do mundo, o ministro advertiu que isso “não só comprometeria as possibilidades de seus cidadãos terem um programa de vacinação adequado, mas também de outros países do mundo, e isso prejudicaria a reputação da UE”.

“Tentar dividir ou erguer muros prejudicaria tanto os cidadãos da UE quanto do Reino Unido”, declarou o ministro depois em uma entrevista à BBC.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ameaçou no sábado bloquear as exportações da vacina contra o coronavírus da AstraZeneca, se a UE não receber primeiro suas doses prometidas.

“Temos a opção de suspender as exportações previstas. Essa é nossa mensagem à AstraZeneca: respeite o contrato com a Europa antes de começar a fornecer para outros países”, disse ela em entrevista ao grupo de mídia alemão Funke.

Enquanto isso, a campanha de vacinação em massa que começou em 8 de dezembro no Reino Unido está cada vez mais forte, com um número recorde de doses aplicadas no sábado: 844.285 em 24 horas, informou o governo no domingo.

Mais da metade dos 52,7 milhões de adultos do Reino Unido receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19.

A meta do governo é administrar a primeira dose em todas as pessoas com mais de 50 anos até meados de abril e em todos os adultos até o final de julho.

O Reino Unido – país europeu mais afetado pela pandemia, com mais de 126 mil mortes – utiliza vacinas da Pfizer-BioNTech e AstraZeneca-Oxford.

Related posts
MundoSociedade

Filipinas adquirem 40 milhões de vacinas da Pfizer

Mundo

Autoridade Palestina anula acordo de vacinas anticovid com Israel

EconomiaMundo

Países da zona euro devem manter “postura orçamental de apoio” em 2022

MundoSociedade

UE adverte que campanhas de vacinação podem ignorar grupos vulneráveis

Assine nossa Newsletter