Perito da OMS exclui hipótese de origem laboratorial do coronavírus - Plataforma Media

Perito da OMS exclui hipótese de origem laboratorial do coronavírus

Liang Wannian, principal perito chinês da missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) para estudar as origens do SARS-CoV-2, excluiu a possibilidade de uma fuga laboratorial ter originado a pandemia, contrariando o diretor-geral da OMS.

Poucos dias depois de a OMS ter dito que o relatório da missão enviada à China em janeiro para estudar as origens da pandemia será publicado “muito provavelmente” na próxima semana, Liang Wannian deu uma entrevista ao jornal oficial chinês “Global Times” para desviar o foco da tese da origem laboratorial.

“A equipa de especialistas concordou por unanimidade que é extremamente improvável que o vírus tenha sido libertado do laboratório, portanto, as missões futuras de rastreamento da origem do vírus não estarão focadas nesta área, a menos que haja novas provas”, disse Liang, ex-membro da direção da Comissão Nacional de Saúde chinesa.

Liang recusou que o atraso na entrega do relatório se deva a divisões entre os peritos, que afirmaram em janeiro que a hipótese de origem laboratorial é mais improvável do que outras como a da transmissão do vírus de animal para humanos.

Peter Ben Embarek, líder da missão internacional, disse recentemente à revista “Science” que a missão não tinha meios para uma auditoria laboratorial completa para avaliar a hipótese de fuga de laboratório, enquanto o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse em fevereiro que todas as hipóteses ainda estavam em aberto na investigação.

A hipótese de o vírus ter escapado do Instituto de Virologia de Wuhan foi publicamente levantada pela administração dos Estados Unidos, no final do mandato de Donald Trump.

Leia mais em Jornal de Notícias

Related posts
Sociedade

Estudos apontam mercado de Wuhan na China como início da Covid-19

BrasilSociedade

Varíola dos macacos: com 813 casos, Brasil tem situação "preocupante"

MundoPolítica

COVID-19: OMS alerta para "outono e inverno difíceis" na Europa

Sociedade

Febre do caracol já infetou 56 milhões e pode ser fatal

Assine nossa Newsletter