Ministro brasileiro diz na ONU que país quer melhorar distribuição de recursos hídricos - Plataforma Media

Ministro brasileiro diz na ONU que país quer melhorar distribuição de recursos hídricos

O ministro do Desenvolvimento Regional do Brasil, Rogério Marinho, declarou na quinta-feira, numa reunião da Organização das Nações Unidas (ONU), que o Governo está a investir em infraestruturas hídricas para contrariar a pobre distribuição de recursos no país.

O ministro brasileiro frisou que a água é tratada como um ativo “estratégico” no Brasil, num discurso por vídeo na reunião de alto nível da Assembleia Geral da ONU, realizada na quinta-feira em Nova Iorque, sobre a implementação das metas e objetivos de desenvolvimento sustentável relacionados com a água.

“Com 12% das reservas mundiais de água doce, o Brasil conseguiu preservar a cobertura de florestas nativas em mais de 60% de seu território e, ao mesmo tempo, produzir alimentos para um quinto da população mundial”, começou por dizer Rogério Marinho.

“Mas na questão da infraestrutura hídrica, ela está mal distribuída, dadas as dimensões continentais que o Brasil tem. Temos grandes volumes de água na Região Norte, mas falta água na Região Nordeste do nosso país”, declarou o responsável brasileiro.

Marinho defendeu que o Governo do Brasil, chefiado por Jair Bolsonaro, “priorizou a construção de infraestrutura para transpor bacias hidrográficas, a construção de barragens, perímetros irrigados, poços artesianos e sistemas de dessalinização”.

O responsável falou do programa Águas Brasileiras e o envolvimento do setor privado para proteger as águas em conjunto com autoridades públicas que pretendem “replantar matas ciliares, proteger nascentes, e retirar resíduos”.

Rogério Marinho defendeu ainda que através do novo Marco Legal do Saneamento Básico, o Brasil terá capacidades e condições de “universalizar o tratamento de água e saneamento” nos próximos dez anos.

“Temos o claro compromisso em tratar a infraestrutura, o desenvolvimento produtivo e a preservação do meio ambiente como um legado para esta e para as futuras gerações”, concluiu Rogério Marinho.

A reunião de alto nível sobre a Água, com a participação de chefes de Estado e de Governos e ministros de todo o mundo, pretende discutir, até à próxima segunda-feira, o acesso à água como direito humano e a urgência da necessidade de mobilização de recursos e investimentos para promover a água e saneamento como chave para conter a pandemia de covid-19.

Related posts
Mundo

ONU alerta que seca pode ser “a próxima pandemia”

BrasilPolítica

Brasil entre os eleitos para o Conselho de Segurança da ONU

EconomiaMoçambique

ONU investe no empoderamento da raparigas na Zambézia

MundoSociedade

ONU: Direitos humanos não devem ser visto como "aspirações teóricas"

Assine nossa Newsletter