"Os porta-aviões da China não representam uma ameaça séria para o Japão"

“Os porta-aviões da China não representam uma ameaça séria para o Japão”

O académico Tetsuo Kotani, investigador do Instituto de Relações Internacionais japonês, analisa a tensão militar na Ásia Oriental, sobretudo o esforço estratégico de Pequim para perturbar a liberdade de ação dos EUA no oceano Pacífico. Participou na conferência Oceano que Pertence a Todos, em Lisboa.

Os porta-aviões estão de volta à Ásia Oriental, primeiro pela China, agora pelo Japão e num futuro próximo, prevê-se, pela Coreia do Sul. Porquê esse investimento num tipo de navio muito caro?

Hoje em dia os porta-aviões são uma plataforma vulnerável. Os porta-aviões da China não representam uma ameaça séria para o Japão, pois são fáceis de afundar por mísseis e submarinos. A China está a mostrar os porta-aviões, principalmente por motivos de orgulho nacional, embora possam ser uma ameaça para as pequenas nações do Sudeste Asiático. O Japão está a converter os porta-helicópteros em porta-aviões leves, já que, apesar de tudo, as bases aéreas fixas em terra são mais vulneráveis ​​aos mísseis chineses. A Coreia do Sul vai introduzir porta-aviões leves, mas isso não faz sentido militarmente, novamente está a fazê-lo apenas por orgulho nacional.

Imaginando a China como uma futura superpotência, quão importante para a segurança do Japão é a aliança com os Estados Unidos?

A China está a desenvolver rapidamente as capacidades militares para perturbar a liberdade de ação dos militares dos EUA no Pacífico, isto quando o Japão continua a depender fortemente da capacidade dissuasiva estendida dos norte-americanos. Se os EUA estivessem um dia impedidos de ajudar o Japão, isso prejudicaria a própria base da estratégia de segurança japonesa.

Índia, Austrália, Japão. Quão profunda é a cooperação militar entre estes países que compartilham uma preocupação com as atividades da China nos oceanos Índico e Pacífico?

A Índia está mais preocupada com as atividades militares da China no Oceano Índico e na fronteira terrestre nos Himalaias, enquanto a Austrália com a presença militar da China no Pacífico. O Japão com a presença da China nos oceanos Pacífico e Índico.

A Constituição e a limitação de 1% do PIB para investimento no orçamento militar é uma desvantagem para o Japão? Vê terreno para mudanças na opinião pública para lidar de forma mais dissuasiva com China, Rússia e Coreia do Norte?

O Artigo 9 não proíbe a legítima defesa. E a limitação de 1% não é uma política, pois o principal obstáculo para aumentar os gastos com defesa é a necessidade de responder às despesas da segurança social. O público em geral não está pronto para mudar drasticamente a política atual.

Em todo o mundo vêem-se disputas por pequenas ilhas ou para definição de zonas económicas exclusivas. Isso acontece porque os recursos do oceano podem determinar a riqueza futura de um país?

No caso da Ásia Oriental, trata-se sobretudo de questões políticas e estratégicas. Mar livre vs. mar fechado.

Related posts
ChinaMundo

Forças armadas chinesas organizarão os Jogos Militares Internacionais 2021

ChinaPolítica

Exército chinês diz ter expulsado navio de guerra dos EUA no Mar do Sul da China

MundoPolítica

Príncipe saudita encontrou-se com Blinken em discreta visita aos EUA

MundoPolítica

EUA pedem ao Irão que acabe com suas 'provocações' nucleares

Assine nossa Newsletter