Covid-19: Falta de vacinas em Portugal obriga a novo plano - Plataforma Media

Covid-19: Falta de vacinas em Portugal obriga a novo plano

A falta de vacinas levou a um atraso e a uma reformulação do plano de vacinação, atendendo às prioridades, que são os mais vulneráveis.

A vacinação dos polícias, guardas e bombeiros, iniciada há cerca de uma semana, vai sofrer um atraso. Segundo a edição desta manhã do semanário Expresso, a escassez de vacinas, levou o coordenador do plano de vacinação a dar prioridade aos mais velhos.

A mudança significa que, a partir de agora, 90% das vacinas disponíveis serão administradas, em primeiro lugar, a pessoas com 80 ou mais anos, e a quem tem entre os 50 e os 79 anos de idade e que sofra de uma das quatro doenças de risco aumentado para a Covid-19: problemas cardíacos, coronários e renais e doença respiratória grave.

Só depois as vacinas chegarão à PSP, à GNR, aos bombeiros, e também aos tribunais, ao Parlamento e até mesmo aos médicos que não se encontram na linha da frente de combate direto ao coronavírus.

O vice-almirante Gouveia e Melo, coordenador da task force da vacinação contra a Covid-19, citado pelo Expresso, esclarece que a alteração de estratégia tem uma razão simples: escassez de vacinas. Estava previsto que, até março, chegassem a Portugal 4,4 milhões de doses, mas, até agora, só estão garantidos 2,2 milhões. O plano de vacinação foi modificado, face ao atraso. Até janeiro, grande parte dos grupos mais prioritários – médicos e enfermeiros do SNS – já tinha recebido as doses da vacina.

Leia mais em TSF

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Mais de metade da população considera que os políticos não devem ter prioridade na vacinação

PortugalSociedade

Reino Unido e Itália com mais impacto no início da pandemia em Portugal

PortugalSociedade

Quase menos 200 mil consultas e menos 21 mil cirurgias só em janeiro

PortugalSociedade

46% dos portugueses antecipam confinamento até à Páscoa

Assine nossa Newsletter