Timor-Leste aguarda mais dados sobre AstraZeneca para aprovar plano de vacinação - Plataforma Media

Timor-Leste aguarda mais dados sobre AstraZeneca para aprovar plano de vacinação

O Governo timorense está à espera de clarificação adicional da eficiência e eficácia da vacina AstraZeneca, especialmente no que toca ao seu uso na população mais velha, antes de aprovar o plano de vacinação, disse hoje o primeiro-ministro.

“A vacina que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda para Timor-Leste é a AstraZeneca, mas temos visto na Europa alguns debates sobre as faixas etárias a que pode ser dada”, disse Taur Matan Ruak aos jornalistas.

“Há algumas dúvidas e por isso o Conselho de Ministros ainda não fez a decisão final. Continuamos a recolher informação da OMS para garantir que a vacina é adequada”, considerou.

Taur Matan Ruak, que falava depois do seu encontro semanal com o Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, disse que “de forma geral a vacina é adequada, mas que é preciso ter certeza sobre a sua eficiência e eficácia”.

A Lusa tentou várias vezes sem sucesso obter um comentário do novo responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS) em Timor-Leste, Arvind Mathur.

Em entrevista à Lusa na quarta-feira, a ministra da Saúde timorense, Odete Belo garantiu ainda que, seguindo uma recomendação da OMS, o plano apresentado em Conselho de Ministros prevê que a vacina seja dada também a pessoas com mais de 67 anos, ficando excluídos menores de 17 e mulheres grávidas.

“O plano tem a afirmação concreta de que a vacina se pode dar a maiores de 67 anos”, reiterou.

A questão da idade limite para a vacinação com a AstraZeneca tem suscitado amplos debates, especialmente na Europa, com países como a Irlanda, que decidiu não inocular pacientes com mais de 70 anos ou a Alemanha a não inocular maiores de 65.

Em alguns países, a opção foi de recorrer a outras vacinas, como as da Pfizer e da Moderna, para os mais idosos, ainda que essa opção pareça para já excluída no caso de Timor-Leste, visto as condições do país não serem compatíveis com as exigências, em termos de armazenagem, dessas vacinas.

Em causa, mais do que a eficácia ou não da vacina para esses grupos etários, está a questão de que ainda não há dados suficientes de testes clínicos que demonstrem a sua eficácia nos mais idosos.

Odete Belo disse que o Governo quer iniciar a vacinação contra a covid-19 a 07 de abril, Dia Mundial da Saúde, garantindo que as vacinas serão gratuitas e vão abranger tanto timorenses, como estrangeiros.

O plano de vacinação, que tem vindo a ser desenhado por uma equipa técnica multidisciplinar e que envolve especialistas de agências como a Organização Mundial de Saúde (OMS) foi apresentado pela primeira vez na quarta-feira ao Conselho de Ministros.

Ainda que as primeiras vacinas sejam esperadas em Timor-Leste entre o final de fevereiro e o início de março, Odete Belo disse à Lusa que antes de começar a vacinar é necessária uma campanha de informação e sensibilização.

Paralelamente, sublinhou, é preciso preparar, com o apoio da OMS e da Unicef, os aspetos logísticos da vacinação em si, incluindo formação de quadros e um sistema de ‘tracking’ dos vacinados para assegurar que tomam as duas doses.

Recorde-se que Timor-Leste vai receber os primeiros 20% das suas necessidades de vacinação através do fundo internacional Covax, destinado a apoiar os países com mais carências e vulnerabilidades.

No caso de Timor-Leste, recorrerá à vacina AstraZeneca, por ser considerada “a vacina mais apropriada” para o país, dado que pode ser preservada em frigoríficos, entre dois e oito graus centígrados.

O mapa indicativo de distribuição prevê que Timor-Leste receba 100.800 doses na fase inicial.

A governante explicou que, no primeiro grupo de 20% da população a ser vacinada, a prioridade será para funcionários da linha da frente, especialmente na zona da fronteira terrestre, para equipas que estão diretamente envolvidas no combate à covid-19, maiores de 60 anos e pessoas com comorbilidade.

Daí que a primeira fase de vacinação, dos primeiros 20%, decorra entre 07 de abril e junho.

A coordenadora geral da comissão responsável pelo combate à covid-19, Odete da Silva Viegas, disse que a estimativa é de que os 20% iniciais – fornecidos através da Covax – abranjam 263 mil pessoas, com cerca de 39.450 a corresponderem a equipas da linha da frente e 65.750 a pessoas com doenças crónicas.

Cerca de 105.200 correspondem a pessoas com mais de 60 anos e os restantes 52.600 a pessoas de uma “segunda linha da frente”, como professores, padres e outros, explicou.

Artigos relacionados
SociedadeTimor-Leste

Covid-19: Autoridades timorenses identificam origem de surto junto à fronteira

SociedadeTimor-Leste

Covid-19: Testes em massa em Timor-Leste sem casos positivos até agora

EconomiaPortugal

Covid-19: Apoio de Portugal a Timor-Leste ronda um milhão de euros

EconomiaSociedade

Covid-19: Vacinação em Timor-Leste deverá custar 17 ME

Assine nossa Newsletter