Ministério do Interior nega desaparecimento de cadáveres em Cafunfo

Ministério do Interior nega desaparecimento de cadáveres em Cafunfo

O Ministério do Interior desmentiu, neste domingo, informações sobre o desaparecimento dos cadáveres das vítimas do acto de rebelião armada de 30 de Janeiro, na vila mineira de Cafunfo, município do Cuango, província da Lunda-Norte, protagonizado pelo auto-denominado Protectorado Lunda-Cokwe

Numa nota de esclarecimento, a Delegação Provincial do Ministério do Interior na Lunda-Norte informa ter tomado conhecimento de um vídeo, que circula nas redes sociais, onde são feitas acusações graves contra as autoridades relativamente aos acontecimentos do dia 30 de Janeiro. 

A Delegação Provincial do Ministério do Interior na Lunda-Norte considera que as  declarações do catequista André Candala, 62 anos de idade,  afecto à Igreja Católica, concedidas  à  Agência Lusa, sobre desaparecimento de cadáveres “são revestidas de calúnias e baseiam-se em informações colhidas de pessoas com fins inconfessos, cujo  propósito é denegrir as instituições do Estado”. 

A nota informa que o referido catequista concedeu entrevista à Agência Lusa por indicação do bispo da Diocese do Dundo, D. Estanislau Chindecassi. Quanto à alegada detenção e agressão a André Candala por efectivos da Polícia Nacional, a Delegação do Ministério do Interior refere que “não condizem com a verdade como se faz crer.” 

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
AngolaMundo

União Europeia destaca parceria "muito forte” e “diálogo" com Angola

AngolaPolítica

UNITA apela ao diálogo para o fim dos problemas

AngolaPolítica

Angola/Cafunfo: Ativistas denunciam morte de jovem baleado por homens com uniforme militar

AngolaSociedade

Angola/Cafunfo: Garimpeiros arriscam a vida pela “camanga” mas diamantes valem cada vez menos

Assine nossa Newsletter