Chefe militar do Myanmar diz que o golpe era “inevitável”

Chefe militar do Myanmar diz que o golpe era “inevitável”

O chefe das Forças Armadas do Myanmar (antiga Birmânia), Min Aung Hlaing, que passou a concentrar o essencial dos poderes, considerou ontem que o golpe de Estado militar de segunda-feira era “inevitável”.

“Este desfecho era inevitável para o país e foi por isso que o escolhemos”, declarou o general Min Aung Hlaing segundo a página oficial das Forças Armadas na rede social Facebook, um dia após o golpe de estado condenado pelos principais atores internacionais.

As declarações do responsável militar coincidiram com um endurecimento da posição dos Estados Unidos, que hoje acusou os militares birmaneses de terem perpetrado um “golpe de estado”, implicando uma redução da ajuda norte-americana, apesar de o chefe militar continuar aparentemente a ignorar as condenações internacionais e os apelos à libertação da líder do Governo civil, Aung San Suu Kyi.

“Após uma análise cuidadosa dos factos e circunstâncias, chegamos à conclusão de que Aung San Suu Kyi, a líder do partido governante em Myanmar, e Win Myint, o Presidente do Governo eleito, foram depostos num golpe” na segunda-feira, disse um oficial do Departamento de Estado norte-americano. Os Estados Unidos anunciaram também que irão limitar a ajuda pública ao Governo de Myanmar, que fica “automaticamente interrompida”.

Leia mais em Hoje Macau

Artigos relacionados
Política

Myanmar: líder deposta Aung San Suu Kyi enfrenta nova acusação

MundoPolítica

Seis manifestantes mortos no dia mais violento da repressão em Mianmar

MundoPolítica

Greve marcada para hoje apesar da crescente violência nas ruas do Myanmar

MundoPolítica

Centenas de milhar protestam em Myanmar após alerta da ONU sobre violência

Assine nossa Newsletter