Primeiro reator nuclear chinês inicia operações no sudeste do país

Primeiro reator nuclear chinês inicia operações no sudeste do país

O primeiro reator nuclear desenvolvido pela China, o Hualong-1, iniciou hoje as operações comerciais na central de Fuqing, no sudeste do país, noticiou a Xinhua.

De acordo com a agência de notícias oficial chinesa, a unidade Fuqing 5 já está a produzir eletricidade para uso comercial, depois de concluídos os últimos testes, realizados ao longo de sete dias, o que “abrirá o caminho para a produção e exportação em massa”.

A China National Nuclear Corporation (CNNC) disse que os componentes fundamentais do reator são produzidos no país.

O Hualong-1 (também conhecido como HPR1000) tem uma vida útil de cerca de 60 anos e cumpre as “normas de segurança mais rigorosas do mundo”, indicou a agência.

Para o presidente da empresa estatal, Yu Jianfeng, “a China está na vanguarda da tecnologia de reatores nucleares de terceira geração no mundo, juntamente com países como os Estados Unidos, a França e a Rússia”.

Fuqing 5 vai gerar dez mil milhões de quilowatts/hora (kWh) de eletricidade por ano, reduzindo as emissões anuais de dióxido de carbono em 8,2 milhões de toneladas.

A construção desta unidade começou em 2015, um ano depois de este tipo de reator ter sido aprovado pelas autoridades, e foi concluída em 2017. Outro reator, a futura unidade 6, será concluído este ano.

O reator foi ligado à rede em finais de novembro, um mês após ter sofrido uma paragem de emergência devido a um problema durante os testes aos sistemas de fecho de segurança dos tubos de vapor, sem que tenha ocorrido qualquer fuga de material radioativo, de acordo com as autoridades, que enviaram uma equipa de peritos à central para estudar o acidente.

Atualmente, existem seis reatores Hualong-1 em construção no estrangeiro, incluindo dois em Carachi, no Paquistão, um dos quais começou a carregar combustível em finais de novembro.

O reator chinês foi também oferecido à Argentina como parte do acordo para a construção da quarta e quinta centrais nucleares no país.

Assine nossa Newsletter