Tratado da ONU sobre Proibição de Armas Nucleares entra em vigor - Plataforma Media

Tratado da ONU sobre Proibição de Armas Nucleares entra em vigor

O Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, que não foi assinado pelas potências nucleares, entrou em vigor esta sexta-feira, uma notícia saudada pelas Nações Unidas e pelo Papa Francisco.

“O tratado representa uma etapa importante no caminho para um mundo livre de armas nucleares e atesta o apoio determinado que as iniciativas multilaterais de desarmamento nuclear provocam”, destacou em comunicado o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres.

É o “primeiro tratado multilateral de desarmamento nuclear selado em mais de vinte anos”, acrescentou, instando “todos os Estados a agirem juntos para promover a segurança e protecção colectivas”. O Tratado proíbe o uso, desenvolvimento, produção, teste, armazenamento e também ameaças de uso de armas nucleares.

O pacto entrou em vigor, ontem, depois de as Honduras se tornarem o 50º Estado a ratificá-lo no final de Outubro.No total, 122 países aprovaram-no na Assembleia-Geral da ONU, em 2017. O Papa Francisco disse esta semana que o tratado é “o primeiro instrumento juridicamente vinculativo que proíbe explicitamente essas armas, cujo uso tem um impacto indiscriminado, afecta um grande número de pessoas num curto espaço de tempo e causa danos ao meio ambiente de muito longo prazo”.

“Eu encorajo fortemente todos os Estados e todas as pessoas a trabalharem com determinação para promover um mundo sem armas nucleares, ajudando a promover a paz e a cooperação multilateral de que a humanidade tanto precisa hoje”, acrescentou. Mesmo sem a assinatura dos principais detentores de armas atómicas, militantes a favor da abolição esperam que o tratado estigmatize essas nações e as force a mudar de opinião.

O mundo tem nove potências nucleares: Estados Unidos e Rússia – que detêm 90 por cento do arsenal atómico do planeta -, China, França, Reino Unido, Índia, Paquistão, Israel e Coreia do Norte. A maioria afirma que os seus arsenais servem de ferramenta de dissuasão e dizem respeitar o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, que visa impedir a disseminação de armas atómicas para outros países.

Leia mais em Jornal de Angola

Related posts
MundoSociedade

Relatório da ONU aponta para "agravamento dramático" da fome no mundo em 2020

Mundo

ONU alerta que seca pode ser “a próxima pandemia”

BrasilPolítica

Brasil entre os eleitos para o Conselho de Segurança da ONU

EconomiaMoçambique

ONU investe no empoderamento da raparigas na Zambézia

Assine nossa Newsletter