Turistas voltam à ilha do Sal mas as nuvens negras ainda pairam - Plataforma Media

Turistas voltam à ilha do Sal mas as nuvens negras ainda pairam

As nuvens negras ainda pairam, por estes dias, pela ilha cabo-verdiana do Sal e os turistas, alguns portugueses e polacos, contam-se pelos dedos das mãos numa qualquer volta pela outrora movimentada localidade de Santa Maria

Quase metade do turismo em Cabo Verde passa por aqui, a ilha do sol, da praia e do mar azul, que desde março viu os turistas desaparecerem com a pandemia da covid-19, os mesmos que desde meados de dezembro voltam a percorrer, aos poucos, lentamente, a rua pedonal de Santa Maria, por entre bares e restaurantes que permanecem fechados, sem clientes suficientes.

Não é o caso de Cosme Sousa, 39 anos, que começou o ano de 2021 no Sal, com a família. Viajaram de Gondomar, no norte de Portugal, para uma semana de férias e não escondem a surpresa com o que encontraram nesta que é também a primeira visita à ilha cabo-verdiana.

“O que tenho encontrado tem sido espetacular. As pessoas têm sido respeitosas relativamente à máscara e a todos os cuidados de higiene. Não encontrei nada que possa apontar”, conta à Lusa, durante um passeio no calçadão de Santa Maria, hoje praticamente vazio, num mês que, em anos anteriores, seria de época alta.

E se a crise em terra, provocada pela falta de turistas, é visível em cada canto da ilha, as nuvens negras no céu, com alguns pingos de chuva a cair, mostram que o tempo não está mesmo favorável para o Sal. Ainda que a família de Cosme se sinta bem e com vontade de regressar, reconhecendo a adaptação da ilha, nos últimos meses, à nova realidade imposta pela pandemia.

“Já fizemos atividades, já fizemos montes de coisas, e acho que estamos seguríssimos, porque as pessoas respeitam, há condições de segurança, há condições de higiene, toda a gente tem álcool gel. Surpreendeu-me muito pela positiva”, admite Cosme.

Uma semana de férias que o fazem afirmar que “sem dúvida” é para voltar, para conhecer as outras ilhas cabo-verdianas, já que no Sal “tudo tem sido perfeito”.

A mãe, Eugénia Santos, estreia-se aos 59 anos a visitar Cabo Verde e não esconde a preocupação com o que vê. Uma ilha que se preparou, com higienização obrigatória na entrada de todos os estabelecimentos, marcas no chão para facilitar o distanciamento social, equipamentos de saúde preparados para casos de covid-19 e o uso de máscara generalizado. Mas ainda sem turistas.

“Sinceramente estou um bocado preocupado porque se vê muitos, muitos hotéis parados. E acho que não havia necessidade disso”, observa, sublinhando a surpresa com o cumprimento “exemplar” das regras para proteção da transmissão da covid-19.

“Se por acaso estamos a almoçar e nos levantamos e esquecemos da máscara, os funcionários chamam logo à atenção. Na tua também está tudo com muito cuidado, acho que não havia necessidade disto. É uma pena”, conta, elogiando a simpatia e o acolhimento dos cabo-verdianos.

Uma apreensão facilmente percebida com uma caminhada pela paradisíaca praia de Santa Maria, banhada por uma água em tons azul e normalmente quente. Na areia, as espreguiçadeiras arrumadas às centenas, ou simplesmente viradas pelo vento, mostram que há muito que não são usadas.

Sem turistas na areia, e apenas alguns praticantes de desportos de água no mar, a realidade surpreende também o polaco Bartlimiej Wieczorkowski, que trocou as temperaturas negativas de Varsóvia para conhecer, com a mulher e as filhas menores, a ilha do Sal.

“É uma ilha linda, um mar lindo, com pessoas muito simpáticas. Na Polónia estamos no inverno e está a nevar”, começou por brincar, explicando depois, mais a sério, que apesar das dificuldades impostas pela covid-19, decidiram não adiar a viagem.

“Não temos medo. Temos as máscaras, lavamos as mãos. As pessoas com máscaras no hotel, é bom”, explicou, assumindo que depois de Cabo Verde ainda contam conhecer o Quénia e Tanzânia.

Além de voos de operadores privados, o Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, no Sal, o principal de Cabo Verde e que antes da pandemia movimentava anualmente mais de um milhão de viajantes, começou em dezembro a retomar as ligações aéreas regulares, através da portuguesa SATA, depois da suspensão total dos voos internacionais em 19 de março – em todo o país -, para conter a transmissão da pandemia de covid-19.

Para a retoma do turismo, que garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e que representa direta ou indiretamente o emprego em toda a ilha do Sal, o Governo afirmou anteriormente que Cabo Verde está “em condições e preparado”, após a conclusão da auditoria ao setor da saúde e da certificação de 500 estabelecimentos turísticos.

Foi concluída “com sucesso” a primeira fase da implementação das diretrizes Posi-Check, para instalações médicas regionais, tendo sido certificados e aprovados os centros e unidades de cuidados intensivos de covid-19 no Hotel Sabura e no Hospital Ramiro Figueira, ambos na ilha do Sal.

Igualmente certificados por esta auditoria internacional, conduzida pela consultora Intertek Cristal, foram o novo centro de Saúde de Santa Maria (Sal) e da Clínica de Boa Esperança e delegacia de Saúde, ambas na Boa Vista, sendo estas as duas principais ilhas turísticas de Cabo Verde.

Artigos relacionados
Cabo VerdeChina

Governo de Cabo Verde quer investimento chinês

Cabo VerdeEconomia

Poupanças dos cabo-verdianos nos bancos já cresceram mais de 8% com a pandemia

Cabo VerdeDesporto

Cabo Verde realiza “festival no sofá” para angariar fundos para seleção de andebol

Assine nossa Newsletter