O possível efeito dominó do Brexit - Plataforma Media

O possível efeito dominó do Brexit

Com o vírus fora de controlo e voos cancelados, o Reino Unido está com um telhado furado numa noite de chuva. Porém o primeiro-ministro, normalmente angustiado, levanta agora os braços em sinal de vitória. Após quatro anos, a luta chega ao fim e o Reino Unido finalmente abandona a União Europeia. Boris Johnson consegue assim cumprir a promessa de quando assumiu a liderança do país e garantiu à população britânica que os iria retirar da União Europeia e oferecer de novo autonomia ao país.

O que será que fez com que a União Europeia cedesse e assinasse um acordo com o Reino Unido? A meu ver é a forma de evitar uma saída sem acordo, denominada de “hard Brexit”. Amanhã, 1 de janeiro de 2021, o Reino Unido iria unilateralmente declarar a saída da UE, com ou sem acordo. Como é que os cavalheiros ingleses, que tanto falam sobre cumprir acordos e promessas, acabaram assim? O país não quer assumir a responsabilidade, simplesmente devido ao custo elevado do Brexit, e Boris Johnson, conhecido como o Trump inglês, decidiu usar a mesma estratégia contra a UE. O Reino Unido e a UE são como duas crianças a jogar ao sério até alguém piscar os olhos, mas no final os dois acabaram por desistir. Os britânicos abandonam a UE, mas mantendo uma boa relação com a união, como uma mãe que relutantemente aceita o casamento da filha. Uma nova estirpe do vírus com surto no país já está a criar demasiados problemas para a Europa. Se as ligações com o país não forem cortadas, os próximos a sofrer serão os europeus na outra margem. Dezenas de países já cortaram os voos com o Reino Unido, incluindo da UE. O país poderia simplesmente usar esta oportunidade para abandonar o resto do continente sem qualquer problema. As ilhas britânicas estão separadas do resto da Europa, e dificilmente a UE iria pedir ajuda aos EUA, principalmente agora que os europeus finalmente acreditam que é melhor não envolver terceiros nos respetivos problemas. Aos olhos da UE os britânicos nunca foram verdadeiramente europeus, são um país solitário no meio do mar que gosta de causar problemas. Com a saída, a UE irá finalmente ter paz.
Sem o Reino Unido a UE é um conjunto de países económica e politicamente independentes, que necessita de uma cooperação política próxima para impedir uma derrota. Para os EUA, uma Europa dividida é o ideal para conseguir controlar o continente. Temos de esperar para ver se o Brexit será a primeira peça do dominó a cair no potencial fim da UE.

“Editor chinês do Plataforma

Artigos relacionados
Opinião

Paisagens inigualáveis

Opinião

O americano mais admirado

Opinião

Cuidado com a cultura das drogas

Opinião

Drogas destruidoras

Assine nossa Newsletter