"É uma vergonha haver financiamento de uma campanha em tempo de pandemia" - Plataforma Media

“É uma vergonha haver financiamento de uma campanha em tempo de pandemia”

“Sem um tostão”, o candidato presidencial Vitorino Silva quer fazer uma campanha dependente do contributo dos apoiantes. ” Tino de Rans” acusa Marcelo de ter estado “fechado” cinco anos. “Ninguém dá comendas ao povo”, diz em entrevista à TSF e ao DN.

Vitorino Francisco da Rocha e Silva, nasceu em Penafiel e tem 49 anos. É popularmente conhecido como Tino de Rans – Rans, em Penafiel, onde foi presidente de junta por dois mandatos. É calceteiro e funcionário da Câmara Municipal do Porto. Foi militante do PS mas há um ano e meio fundou o partido RIR (Reagir, Incluir, Reciclar). Em 2016 candidatou-se a Presidente da República, obtendo cerca de 152 mil votos (3,28%). Volta agora a concorrer.

Apresenta-se para dizer o quê de diferente aos portugueses? O que há em si que seja único, face aos outros candidatos? Que bandeira é que o define?

Sou o candidato mais próximo do povo. Quando digo que o meu gabinete é a rua digo que tenho o maior gabinete do que todos os políticos. Estes têm um gabinete num 12º andar e em que saem do elevador para os carros e só aparecem e só mostram a cara em tempo de eleições ou quando estão em televisão. Não se misturam com o povo, no dia a dia. No fundo, no fundo, sou um mensageiro da vez e da voz do povo. O povo precisa de ter vez e o povo precisa de ter voz e nos outros candidatos nenhum está em condições…Acho que estou à frente nessa área, sou o candidato que ouve o povo mais vezes.

Leia mais em TSF

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Marcelo "irritado" com autoridades de saúde por falta de resposta escrita

PolíticaPortugal

Nenhum partido defende adiamento das eleições, diz Marcelo

PolíticaPortugal

Positivo é positivo. Marcelo está infetado, diz patologista

PolíticaPortugal

Costa deseja a Marcelo rápida recuperação e manterá contacto permanente

Assine nossa Newsletter