Países do Mercosul defendem acordos com UE e outros países mas divergem sobre prazos - Plataforma Media

Países do Mercosul defendem acordos com UE e outros países mas divergem sobre prazos

Os países do Mercosul declararam hoje “máxima vontade de assinarem o acordo com a União Europeia” e de fecharem negociações com outros países e blocos, mas divergiram sobre quando e como, refletindo a tensão interna com a Argentina.

A Declaração Final da Cimeira do Mercosul, realizada de forma virtual, na qual o Uruguai transferiu a Presidência semestral do bloco à Argentina, ressalta a sua “máxima vontade de assinar o acordo de associação entre o Mercosul e a União Europeia”.

“E insta os sócios a superarem os desafios que impediram a finalização de um processo de mais de 20 anos de esforço conjunto por um acordo amplo, equilibrado e ambicioso”, diz a Declaração da Cimeira do Mercosul.

No ano passado, o Mercosul fechou acordos de comércio livre com a União Europeia e com a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA, nas siglas em inglês). A Argentina, que assume agora a condução do Mercosul, prefere adiar ao máximo o processo de implementação do acordo com a União Europeia para ganhar tempo. Os demais sócios, Brasil, Paraguai e Uruguai, pelo contrário, querem acelerá-lo.

Uma das saídas para a divergência pode estar na solução encontrada para outras negociações na qual a Argentina também não tem interesse em apressar os tempos. Nas negociações com a Coreia do Sul e com Israel, foi adotada a estratégia da chamada “duas velocidades” na qual Brasil, Uruguai e Paraguai avançam a toda velocidade enquanto a Argentina vem atrás.

“Os países adotaram a flexibilidade como critério utilizado para a continuidade da negociação com a Coreia e para a modalidade de aprofundamento bilateral do Tratado de Comércio Livre com Israel, ressaltando a visão pragmática em benefício do avanço dessas negociações comerciais”, destaca o texto da Declaração.

“O bloco está a avançar, mas cada país está a atuar na sua velocidade, em ritmos diferentes”, indicou o presidente uruguaio, Luis Lacalle Pou.

O Mercosul está em negociações por acordos de livre comércio com países da América Central, Coreia do Sul, Canadá, Singapura, Israel e Líbano. As únicas negociações com as quais a Argentina totalmente de acordo são com América Central, Canadá e Bolívia. O Brasil, por sua vez, quer abrir negociações com a Indonésia e com o Vietname.

De perfil protecionista, o Presidente argentino, Alberto Fernández, destoa dos demais membros do Mercosul, todos favoráveis ao comércio livre e à aceleração das negociações.

“Devemos abrir-nos mais ao mercado internacional, mas preservando as nossas economias. A negociação e a assinatura de acordos comerciais sem atender determinadas condições representa um risco”, advertiu o presidente argentino.

“Vemos que existem negociações que devem ser analisadas cuidadosamente para determinar a sua verdadeira valia. A Argentina tem expectativas que certos acordos possam ser fechados”, diferenciou-se Alberto Fernández dos demais membros do bloco que querem todos e não apenas certos acordos.

No outro extremo da visão comercial, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, ressaltou que “a flexibilidade e o pragmatismo” permitiram que “os pontos de convergência prevalecessem sobre as divergências”.

Para não ficar como uma ilha protecionista de esquerda entre países de direita a favor da abertura comercial, a Argentina defendeu a adesão da aliada Bolívia como membro pleno do Mercosul.

“Acreditamos que a incorporação da Bolívia será uma enorme conquista. Um verdadeiro feito nesse processo de integração regional”, defendeu Alberto Fernández, anunciando qual será a sua prioridade no exercício da Presidência do Mercosul.

“O processo de adesão da Bolívia ao Mercosul favorecerá a convergência entre espaços de integração regional”, coincidiu o próprio presidente boliviano, Luis Arce.

Argentina, Bolívia e Venezuela -suspendida do Mercosul em 2016 por rotura da ordem democrática- formam uma aliança na América do Sul, região na qual todos os demais Governos são de direita.

Related posts
PolíticaSão Tomé e Príncipe

UE condena tentativa de golpe em São Tomé e Príncipe e pede respeito pelos direitos humanos

Política

Ministros da UE debatem esta 5.ª feira mecanismo de último recurso para teto ao gás

EconomiaMundo

Bruxelas admite períodos mais longos para países da UE reduzirem dívida e défice

MundoPolítica

6 em cada 10 eleitos locais portugueses quer mais influência das regiões e cidades na  UE

Assine nossa Newsletter