Saiba o que estão as empresas portuguesas a fazer no domínio ambiental - Plataforma Media

Saiba o que estão as empresas portuguesas a fazer no domínio ambiental

Cinco anos depois do Acordo de Paris saiba o que estão as empresas portuguesas a fazer no domínio ambiental.

Painéis solares, mobilidade elétrica, redução das emissões de gases de efeito estufa, de tudo um pouco têm feito as empresas portuguesas para ajudar na transição energética. A consciência ambiental vai fazendo o seu caminho, mas Portugal ainda só tem quatro empresas na “A List” do CDP – Carbon Disclosure Project, organização não governamental de referência nos mercados de capitais pela classificação da performance ambiental de empresas e cidades, mesmo assim são mais três do que em 2019, quando apenas a EDP figurava neste exigente ranking. Os CTT, a Navigator e a Sonae foram as subidas de 2020. Jerónimo Martins, NOS, BCP e GALP estão já no nível A-, sendo fortes candidatas a chegar à “A List” em breve.

Contribuir para a descarbonização da economia, aumentar a capacidade de produção renovável, reforçar as soluções de eficiência energética e apostar em inovação são os grandes pilares da estratégia de ação climática da EDP, definida ainda antes da COP 21, conferência de que resultou o Acordo de Paris. Um caminho que “tem sido feito, com permanente atualizações e reforços das metas ambientais”, diz fonte oficial da empresa, lembrando a antecipação do fecho das centrais a carvão na Península Ibérica, entre as quais a de Sines, já a partir de 2021. E que contribuirá para cumprir o objetivo da empresa de reduzir as suas emissões de CO2 em 90% até 2030, em comparação com os níveis de 2015.

Paralelamente, a EDP continua a investir na expansão das energias limpas, que já representam 74% da produção atual da empresa. E o objetivo é que chegue a 90% até ao final da década. Uma aposta que envolve as renováveis, mas, também, as soluções de eficiência energética, como a instalação de energia fotovoltaica e painéis solares em clientes ou os incentivos à mobilidade elétrica, entre outros. O objetivo, com a criação de produtos e serviços mais eficientes, é que os consumidores “obtenham poupanças de energia da ordem dos 5 TWh até 2022”.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Related posts
BrasilPolítica

MP do Brasil quer retirada de extratores de ouro na Amazónia

Brasil

Brasil usará "força total" para reduzir desflorestação após acusações

Mundo

Após COP26, mundo deve adotar ações rápidas para evitar catástrofe

ChinaPolítica

Como fica a nova dinâmica EUA-China com acordo climático

Assine nossa Newsletter