"Trezes" começou ontem com filme de João Cayatte a partir de Miguel Torga

“Trezes” começou ontem com filme de João Cayatte a partir de Miguel Torga

O projeto “Trezes”, que adaptou para telefilmes 13 contos de autores portugueses dos últimos dois séculos, estreou ontem à noite na RTP1 com “Fronteira”, da autoria de Miguel Torga e realizado por João Cayatte

Este foi o primeiro de 13 telefilmes que apresentam a visão cinematográfica que 13 realizadores contemporâneos têm da literatura contista, num projeto intitulado precisamente “Trezes” e que resulta de uma parceria entre a RTP e a Marginal Filmes, anunciou a produtora.

Produzido por José Carlos de Oliveira e Ricardo Oliveira, o projeto vai ter transmissão semanal e tem como objetivo contribuir para o crescimento e consolidação da relação dos públicos com a literatura e o cinema portugueses.

Inicialmente, a estreia esteve marcada para 04 de dezembro, mas foi adiada para ontem, uma semana depois do inicialmente previsto.

A série de filmes começou com “Fronteira”, de Miguel Torga (1907-1995), adaptado por João Cayatte, e termina com “O sítio da mulher morta”, de Manuel Teixeira-Gomes (1860-1941), realizado por José Carlos de Oliveira.

O ciclo conta ainda com a apresentação de “A abóbada”, de Alexandre Herculano (1810-1877), realizado por Cláudia Clemente, “O tesouro”, de Eça de Queiroz (1845-1900), com realização de Carlos Coelho da Silva, “Um jantar muito original”, da autoria de Alexander Search, um dos semi-heterónimos de Fernando Pessoa (1888-1935), realizado por Leandro Ferreira, e “O ódio das vilas”, um conto de Manuel da Fonseca (1911-1993), que António da Cunha Telles adaptará.

“O rapaz do tambor”, de Fernando Namora (1919-1989), o conto popular “A pereira da tia Miséria”, “O lavagante”, de José Cardoso Pires (1925-1998), e “Uma vida toda empatada”, de Mário de Carvalho, são outras adaptações, respetivamente a cargo dos realizadores Filipe Henriques, Marie Brand, António-Pedro Vasconcelos e Tiago de Carvalho.

A terminar os 13, contam-se ainda o conto de Lídia Jorge “Miss beijo”, realizado por Nuno Rocha, “As cinzas da mãe”, de Cristina Norton, com realização de José Farinha, e “A morte do super-homem”, de Rui Zink, dirigido por João Teixeira.

Os argumentistas que escreveram as adaptações dos contos para televisão são Pedro Marta Santos, Patrícia Muller, Miguel Simal e Leandro Ferreira.

Artigos relacionados
BrasilCultura

Marieta Severa relembra “luta pela vida” após contrair Covid-19 e incentiva vacinação

AngolaCultura

Daniel Nascimento:“Vamos usar a linguagem do cidadão comum, para que toda a gente se possa identificar com o discurso”

BrasilCultura

Morre a atriz brasileira Nicette Bruno, vítima de covid-19

ChinaSociedade

Reguladores de Taiwan rejeitam renovação de licença a televisão pró-China

Assine nossa Newsletter