Parque da Independência à espera de dias melhores - Plataforma Media

Parque da Independência à espera de dias melhores

O Parque da Independência, no largo com o mesmo nome (ex 1º de Maio), que nos seus tempos áureos foi palco de várias actividades, como lançamento de obras literárias e artísticas, feiras, exposições, entre outras, apresenta, hoje, um cenário de abandono.

À volta do Largo da Independência encontramos vários serviços e negócios, mas a dependência do BPC, localizada naquelas imediações, por exemplo, vai sendo relegada ao segundo plano.

Entre os negócios praticados nas imediações, destaque para a venda de roupa e calçados. A solicitação do espaço é feita na empresa Palmas, que gere a feira do Largo da Independência, segundo Maria Francisco, que coordena as vendedoras nas cercanias da Praça do Povo.

“A inscrição é feita na Cidadela Desportiva e entre os documentos exigidos constam a cópia do BI, uma fotografia e dez mil kwanzas, que permite um mês de isenção, devendo, depois, passar a pagar 500 kwanzas por dia”, disse Maria Francisco.

António Ferreira, professor de uma escola de condução, disse à nossa reportagem que aproveita o local para ministrar aulas, cobradas por hora. “Por dia chego a receber dois a três clientes, a maior parte prefere fazer contrato para 30 aulas, com três blocos, de dez aulas cada”.

Marta Jorge, que se dedica à comercialização de peixe seco, feijão, óleo de palma, farinha musseque e bagre, disse que o negócio é rentável, pois, apesar de o marido estar desempregado há mais de cinco anos, dá para sustentar a família. “Seria bom que o Estado aumentasse os dias de venda, pois terças e sábados são insuficientes”.

Leia mais em Jornal de Angola

Assine nossa Newsletter