China prepara-se para cumprir promessa de neutralidade de carbono até 2060 - Plataforma Media

China prepara-se para cumprir promessa de neutralidade de carbono até 2060

Para cumprir a meta, a China deve reduzir a sua dependência de combustíveis fósseis para 25 por cento até 2050 dos atuais 85 por cento, removendo muito do resto com tecnologia de captura e armazenamento de carbono

A indústria de energia renovável da China está prestes a liderar uma transformação industrial sem precedentes que tornaria o maior emissor de gases de efeito de estufa do mundo num país neutro em carbono em menos de quatro décadas, a um custo estimado de cinco biliões de dólares norte-americanos, pode ler-se numa reportagem alargada publicada pelo jornal South China Morning Post em três partes.

A nação chinesa, que já é a maior produtora global de energia hídrica, eólica e solar, terá que reduzir a maior parte da produção de combustível fóssil e instalar drasticamente mais equipamentos para aproveitar a energia da natureza por forma a cumprir a meta de neutralidade de carbono em 2060, promessa feita pelo presidente Xi Jinping na Assembleia Geral das Nações Unidas Assembleia em setembro passado.

Na verdade, o mundo terá que olhar para o 14.º Plano Quinquenal do governo chinês – de 2021 a 2025 – para obter detalhes e melhor compreensão de como cada segmento industrial com uso intensivo de energia deve trabalhar em direção à meta proposta.

A meta do ano 2060, junto com uma meta intermédia de emissões de carbono para de 2030, é crítica para colocar o mundo no caminho de cumprimento do Acordo de Paris, que passa por limitar o aquecimento global a 1,5 graus até 2100.

O governo liderado por Xi Jinping tem vindo a aumentar o seu ritmo de políticas para direcionar a nação a tornar-se verde, cortar as emissões de dióxido de carbono e reduzir a poluição. Dezenas de mil milhões de yuans já foram oferecidos em subsídios, bem como incentivos fiscais para afastar os motoristas, montadoras e operadoras de frotas no maior mercado automotivo do mundo dos veículos que consomem gasolina.

A China emite mais dióxido de carbono do que os Estados Unidos e a Europa juntos, a uma taxa que triplicou nas últimas duas décadas muito por culpa do crescimento económico vertiginoso do país.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MacauSociedade

Dias insalubres em Macau reduziram durante a pandemia de Covid-19

AngolaEconomia

Exploração de petróleo cumpre normas ambientais na baia do Namibe

AngolaPolítica

Alterações climáticas preocupam autoridades angolanas

AngolaChina

Angola convida chineses a investir em energias renováveis

Assine nossa Newsletter