Brasil viveu 'utopia' de que internet seria democratizante, diz pesquisador - Plataforma Media

Brasil viveu ‘utopia’ de que internet seria democratizante, diz pesquisador

Em livro lançado nas eleições, Francisco Brito Cruz faz diagnóstico sobre o direito na era das fake news.

A legislação eleitoral não acompanhou as transformações do consumo de mídia na última década e precisa ser repensada sob a lógica das redes. Na dinâmica digital, qualquer cidadão vira um influenciador de campanha e o uso de dados pessoais entra com força no jogo democrático.

Francisco Brito Cruz, doutor em filosofia e teoria geral do direito pela USP, defende essa e outras ideias no livro “Novo Jogo Velhas Regras” (ed. Letramento, 457 págs., R$ 79), que aborda o direito na nova era da propaganda política e das fake news.

Com prefácio de Fernando Henrique Cardoso, a obra foi lançada durante as eleições municipais deste ano. O pesquisador faz um amplo resgate da comunicação política —da dominância da TV nos anos 1990 até sua conversão digital a partir de 2010—, pontuando problemas contemporâneos como desinformação, polarização e microdirecionamento de conteúdo.

Para ele, é preciso não apenas atualizar regras, como a que proibiu disparo em massa após a eleição de 2018, mas debater uma legislação para internet que cubra áreas inimagináveis à política do passado, pautada por comícios e horário eleitoral gratuito.

“Sugiram muitas coisas que não estão nem na TV e nem na rua. Essas coisas ficam em áreas cinzentas em que não sabemos se o conteúdo é controlado pelo candidato ou não, se é pago ou não, e se deve ser considerado propaganda eleitoral ou não. O conjunto de regras foi pensado para a situação anterior”, diz.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Artigos relacionados
ChinaSociedade

Avós 2.0: China inicia os seus idosos no mundo digital

BrasilSociedade

Organização criminosa extorquia políticos utilizando fake news

AngolaBrasil

Relatório aconselha países a acelerar acesso à Internet com planos nacionais

MundoPolítica

Insólito: Ex-presidente do Senegal reage ao anúncio da sua morte pela RFI

Assine nossa Newsletter