Orçamento de Estado de Cabo Verde para 2021 aprovado na generalidade

Orçamento de Estado de Cabo Verde para 2021 aprovado na generalidade

O Orçamento de Estado de Cabo Verde para 2021 foi aprovado na noite de sexta-feira na generalidade no parlamento, com votos favoráveis do partido que suporta o Governo (MpD) e com votos contra dos dois partidos da oposição

 O instrumento de gestão foi aprovado com 35 votos favoráveis do Movimento para a Democracia (MpD), partido que suporta o Governo, em votação que aconteceu na noite de sexta-feira, após dois dias de debate.

 Do total de 59 deputados que votaram, presencialmente e por videoconferência, 24 votaram contra a proposta, sendo 23 do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) e um da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), os dois partidos da oposição.

 Na justificação do voto contra, o deputado do PAICV Julião Varela denunciou um “completo desalinhamento” entre o cenário macroeconómico traçado pelo Governo e a proposta apresentada, considerando o orçamento “utópico e irrealista”.

 Para o porta-voz do grupo parlamentar do PAICV, o orçamento deveria apostar na melhoria da saúde, competitividade e rendimento, e que o documento aprovado não tem nada a ver com o que vai ser executado.

 “É o próprio Governo que já admite um orçamento ratificativo, para rever as previsões e corrigir as omissões”, constatou Julião Varela, que promete estar atendo à proposta na especialidade.

 O deputado da UCID João Santos Luís justificou o voto contra, explicando que o orçamento “é fortemente inquinado”, tendo em vista as eleições legislativas que realizam dentro de quatro a cinco meses.

 O representante da terceira força política no parlamento cabo-verdiano, com três deputados, apontou outras razões que levaram a UCID a votar contra, como o facto de considerar que o Governo falhou em duas principais promessas na legislatura, designadamente crescimento médio de 7% ao ano e criação de 45 mil postos de trabalho dignos.

 “Votamos contra o Orçamento de Estado para 2021 porque trata-se de um orçamento eleitoralista, despesista”, constatou João Santos Luís.

Por sua vez, o deputado do MpD Armindo Luz explicou o voto a favor do grupo parlamentar ao principal instrumento de gestão do país com o facto de renovar as esperanças dos cabo-verdianos em contexto de pandemia, com mais saúde, mais competitividade e mais rendimento.

 O porta-voz do grupo parlamentar do partido que suporta o Governo disse que o orçamento comporta medidas de políticas que viabilizam o controlo da pandemia e o desconfinamento da economia e recursos para proteger os rendimentos, empregos, famílias e empresas.

 “Votamos a favor porque este é o orçamento que combina e que ajusta aos desafios de Cabo Verde no plano sanitário, social e económico. Estamos perante um governo confiante, confiável e responsável em todos os momentos”, justificou, entre muitos outros pontos, o sentido de voto.

 Na sua última intervenção no debate durante a tarde de sexta-feira, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, disse que este é o orçamento que Cabo Verde precisa, tendo em conta que vai reforçar as medidas de proteção que o momento de emergência impõe e a situação de muitas famílias e empresas exigem, mas, ao mesmo tempo, construir o ‘pós-covid’.

 O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, completou, dizendo que os orçamento para o próximo ano vai proteger as empresas e os empregos, aumentar o rendimento dos cabo-verdianos que vai continuar a intervir para que a saúde tenha os recursos necessários e preparar a retoma da economia cabo-verdiana após a covid-19.

 Este será o último documento orçamental da atual legislatura, que termina no primeiro trimestre do próximo ano com a prevista realização de eleições legislativas.

 A proposta de Orçamento do Estado para 2021 ascende a 77.896 milhões de escudos (706,4 milhões de euros), o que corresponde a um aumento de 27,3 milhões de euros em relação ao Orçamento retificativo que entrou em vigor em agosto, elaborado face às consequências da crise económica e sanitária da pandemia de covid-19.

 Depois de uma recessão histórica, entre 6,8% e 8,5% este ano, o ministro avançou que as previsões apontam para um crescimento económico no próximo ano de 4,5%, mas só se o país conseguir controlar a pandemia e se verificar um desconfinamento em todo o mundo.

 Para o próximo ano económico, o Governo cabo-verdiano prevê ainda uma inflação de 1,2%, défice orçamental de 8,8% e uma taxa de desemprego a reduzir de 19,2% para 17,2%.

Related posts
EconomiaPortugal

OE2022: UTAO acredita em superação da meta do défice

MacauPolítica

Lei do jogo aprovada na especialidade ao fim de duas horas

EconomiaPolítica

PR timorense promulga Grandes Opções do Plano, mas preocupado com orçamento

EconomiaPortugal

Governo português não abre mão de cortes de défice e dívida

Assine nossa Newsletter