Supremo do Brasil dá 48 horas a órgão regulador para explicar testes da coronavac - Plataforma Media

Supremo do Brasil dá 48 horas a órgão regulador para explicar testes da coronavac

O Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro deu 48 horas à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão regulador, para explicar os critérios utilizados nos estudos e testes da Coronavac, potencial vacina chinesa contra a covid-19.

A decisão, ditada pelo juiz Ricardo Lewandowski na terça-feira, ocorre cerca de 24 horas após a Anvisa ter suspendido os testes da Coronavac, devido à morte de um voluntário.

Lewandowski quer saber “os critérios utilizados para proceder aos estudos e experimentos referentes à vacina acima referida, bem como sobre o estágio de aprovação desta e demais vacinas contra a covid-19”.

No documento, o magistrado citou “o relevante interesse público e coletivo” que envolve o caso, acrescentando que a “saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e económicas que visem à redução do risco à doença”.

A decisão de Ricardo Lewandowski responde a duas ações entregues pelos partidos Rede Sustentabilidade e Partido dos Trabalhadores, sobre o tratamento dado pelo Governo federal do Brasil ao desenvolvimento da vacina.

A suspensão dos testes da Coronavac no Brasil foi anunciada na segunda-feira pela Anvisa, após ser notificada da ocorrência de um “evento adverso grave”, mas que ainda não confirmou a causa de morte do voluntário, apesar de a imprensa local noticiar que foi suicídio.

O presidente da Anvisa, António Barra Torres, disse numa conferência de imprensa, na terça-feira, que o órgão parou os testes da Coronavac porque foi notificado de um evento grave adverso não esperado pelo Instituto Butantan, que lidera o estudo da vacina no Brasil, em desenvolvimento pelo laboratório chinês Sinovac.

“A decisão tomada ontem [segunda-feira] era a única a ser tomada. Diante de dúvidas para [paralisar o estudo] pede as informações necessárias e segue o procedimento”, afirmou Torres.

“Foram estas informações que levaram a área técnica a tomar a decisão da interrupção temporária dos testes referentes à vacina da Sinovac. Digo isto para pontuar que é uma decisão técnica”, declarou.

As autoridades não confirmam oficialmente, mas a imprensa brasileira informou que o suicídio de um voluntário de 33 anos, em 29 de outubro, que participava na terceira fase do ensaio da coronavac, motivou a suspensão.

A Rede Globo e outros ‘media’ locais exibiram, inclusive, um boletim de ocorrência da polícia brasileira sobre o caso do alegado voluntário, que não foi identificado, em que consta suicídio como causa da morte.

A Anvisa decidiu assim suspender os testes, decisão que manterá até receber as recomendações de um comité internacional de investigadores independentes que analisa o desenvolvimento do imunizante.

Na noite de terça-feira, o órgão regulador informou já recebeu o documento proveniente do comité internacional, que “se encontra neste momento sob análise do grupo interno da Anvisa”.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o comité recomendou à Anvisa a retomada dos testes com a coronavac. Contudo, o órgão regulador não divulgou o conteúdo das recomendações.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 5,7 milhões de casos e 162.829 óbitos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.263.890 mortos em mais de 50,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Artigos relacionados
BrasilSociedade

Brasil suspende testes da vacina Coronavac após morte de voluntário

BrasilSociedade

Governador de São Paulo diz que 120 mil doses de vacina chinesa chegam ao Brasil dia 20

Brasil

Brasil poderá fabricar um milhão de vacinas contra covid-19 por dia em 2021

BrasilSociedade

Anvisa autoriza importação de matéria-prima para vacina do Butantan

Assine nossa Newsletter