Milhões de crianças em risco de não serem vacinadas - Plataforma Media

Milhões de crianças em risco de não serem vacinadas

Milhões de crianças, especialmente na Nigéria, o país mais populoso de África, correm o risco de não serem vacinadas contra a poliomielite e o sarampo devido à covid-19, advertiram hoje a UNICEF e a Organização Mundial de Saúde (OMS).

“É essencial enfrentar a pandemia global da covid-19. No entanto, outras doenças mortais”, como a poliomielite e o sarampo, “também ameaçam a vida de milhões de crianças em algumas das partes mais pobres do mundo”, advertiu o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a OMS, através de uma declaração conjunta emitida hoje em Abuja, a capital nigeriana.

Nos últimos anos, tem havido “um ressurgimento global de sarampo, com epidemias em curso em todas as regiões do mundo”. As lacunas na cobertura da imunização foram ainda agravadas em 2020 pelo covid-19″, segundo a UNICEF e a OMS, que apelam a uma “ação urgente” por parte dos doadores e decisores políticos mundiais.

A situação na Nigéria, com uma população de quase 200 milhões de habitantes, é preocupante: embora o país tenha sido certificado livre de poliomielite selvagem em agosto de 2020, “permanece exposta ao risco de surtos de poliomielite e sarampo”, de acordo com as duas organizações.

Apenas 54% das crianças na Nigéria, por exemplo, receberam a primeira dose de vacina contra o sarampo, de acordo com os dados de 2018.

Na segunda-feira, as autoridades nigerianas anunciaram um súbito pico nos casos e mortes por febre amarela, uma doença mortal, mas para a qual existe uma vacina, em duas regiões do sul. Na vizinha região de Benue, pelo menos 17 pessoas morreram nos últimos dias de uma doença ainda desconhecida, segundo noticiaram hoje os meios de comunicação locais.

O país tem sido até agora relativamente poupado pela pandemia do novo coronavírus, que oficialmente matou 1.154 pessoas em mais de 64.000 casos registados, mas o número de testes é largamente insuficiente.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Costa rejeita recolher obrigatório às 15 horas para "evitar convívios ao almoço"

PortugalSociedade

Hospitais portugueses já testam covid e gripe ao mesmo tempo

Sociedade

Malvinas livres de minas 40 anos após conflito

MoçambiqueSociedade

Moçambique necessita de alimentos

Assine nossa Newsletter