Da circulação ao teletrabalho. Restrições em vigor à meia-noite - Plataforma Media

Da circulação ao teletrabalho. Restrições em vigor à meia-noite

Os 121 concelhos com elevada incidência de casos de covid-19 ficam sujeitos a um novo conjunto de medidas restritivas a partir da meia-noite. Saiba quais são

Entram em vigor nesta quarta-feira à meia-noite as restrições anunciadas pelo primeiro-ministro, António Costa, para os 121 concelhos com uma elevada incidência de casos de covid-19 e que foram já publicadas em Diário da República.

A escolha dos municípios abrangidos por estas medidas mais restritivas das liberdades obedeceu a um critério adotado pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças, que determina como elevada incidência de contágio a existência de 240 casos por cada cem mil habitantes nos últimos 14 dias.

O primeiro-ministro, António Costa, pediu entretanto a Marcelo Rebelo de Sousa que aprovasse num novo estado de emergência, algo que deverá avançar em breve. Na entrevista à RTP, o Presidente da República admitiu, contudo, que será “diferente” do que vigorou em março, abril e maio porque “a sociedade está fatigada”, mas também por razões de sustentabilidade da economia e do emprego.

Assim, de acordo com este diploma, nos 121 concelhos abrangidos por estas restrições, é recomendado aos residentes o dever cívico de recolhimento domiciliário, embora estejam decretadas 26 razões que permitem a livre circulação para fazer compras, trabalhar ou procurar emprego, por questões relacionadas com a saúde ou com a justiça, emergência, voluntariado, assistência a outras pessoas, transporte de menores ou pessoas com deficiência. Além disso, é ainda permitido sair de casa para assistir a eventos culturais, fazer exercício físico, passear ou alimentar animais, entre outras.

Leia mais em Diário de Notícias

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Costa afasta cerca sanitária ou confinamento em Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira

PolíticaPortugal

Costa adverte para risco de medidas ainda mais duras como "não poder ir à rua"

EconomiaPolítica

Portugal vai demorar uma década a curar-se dos danos da Covid-19

PolíticaPortugal

Costa: "Não gosto de proibições mas não podemos estar impávidos a assistir aos números"

Assine nossa Newsletter