“Angola não está integrada nos projectos de estradas regionais por culpa própria” - Plataforma Media

“Angola não está integrada nos projectos de estradas regionais por culpa própria”

À frente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), desde 31 de Agosto, o angolano Gilberto Veríssimo, diz, em entrevista exclusiva ao Jornal de Angola, que o país, apesar de ser o único Estado-membro com as quotas em dia, não está integrado em nenhum dos projectos de estradas regionais, por culpa própria.

O presidente da Comissão fala, ainda, das prioridades do seu mandato, baseado em cinco eixos, que têm como objectivo o aumento do índice de desenvolvimento humano na região.

Como é que encontrou a organização depois de assumir a presidência da Comissão?

Encontrei um quadro diferente daquele que eu e a vice-presidente, assim como os comissários, enquanto Comissão da CEEAC, não se revê. Neste sentido, estamos já a trabalhar para alterar a situação.

Não se revêem em que sentido?

Não nos revemos do ponto de vista organizativo e de funcionamento. Por exemplo, nós, quando abordamos algumas pessoas na organização, apercebemo-nos de que a mesma não tinha independência e liberdade de acção.
A maior parte dos projectos vinha de fora para dentro e a organização acompanhava e apoiava esses projectos. Essa não é a função da organização. A organização tem que gerar os seus próprios projectos, com base numa visão local e pedir o apoio de quem tem maior capacidade organizativa, funcional e financeira para desenvolver os projectos e não o contrário. Não pode ser uma agência de projectos dos outros.
Isso também é que levou os Chefes de Estado a decidirem pela reforma, não foi algo inventado. Os Chefes de Estado chegaram a essa conclusão, daí a ruptura.

Como é que estava a comunidade antes da implementação da reforma, que culminou com a criação da Comissão?

A reforma só existe, ainda, no papel. Os Estados ficaram cinco anos, de 2015 a 2020, a definir o quadro formal da reforma. Os Chefes de Estado aprovaram o novo Tratado e novos textos no dia 18 de Dezembro de 2019. Só no dia 31 de Agosto de 2020 é que a Comissão tomou posse.

Ou seja, só agora é que a reforma vai começar a ser implementada?

Sim. O único elemento da reforma, neste momento, é a Comissão. Essa reforma vai levar a que a região tenha um Parlamento comunitário, um Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Banco de Desenvolvimento e um Banco Central, assim como o Comité de Embaixadores, algo que ainda não existe.

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
Hong KongLusofonia

De cara lavada, Clube Lusitano de Hong Kong tenta recuperar do impacto da pandemia

MacauSociedade

Macau: Português suspeito de tentativa de violação durante aula de fitness

MacauSociedade

Covid-19 encolheu comunidade islâmica de Macau

PolíticaPortugal

"Na Venezuela os portugueses para terem apoio têm de estar na miséria total"

Assine nossa Newsletter