Igreja Católica diz ser “imoral” convocar eleições na Venezuela - Plataforma Media

Igreja Católica diz ser “imoral” convocar eleições na Venezuela

Os bispos venezuelanos emitiram ontem um comunicado onde dizem que é “imoral” convocar eleições no país devido à crise e à pandemia da Covid-19, e denunciam violações dos Direitos Humanos da população da Venezuela.

“É imoral realizar eleições quando o povo sofre as consequências de uma pandemia, carece de condições mínimas de subsistência, e não há transparência na regras e mecanismos de verificação que devem reger um processo eleitoral”, afirmam

O documento divulgado pela Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) faz referência às eleições parlamentares convocadas para 6 de dezembro, sublinhando que “longe de contribuir para uma solução democrática da situação política tende a agravá-la”.

“Isto sem esquecer que ainda devem realizar-se as eleições presidenciais, uma vez que as de 2018 estiveram marcadas por condições ilegítimas promovidas regime atual”, sublinha.

Segundo a CEV o povo pede “verdadeiras eleições” com “condições de liberdade e igualdade para todos os participantes, e monitoramento de organizações internacionais plurais”.

“Não basta abster-se para pôr em evidência a ilegitimidade do processo e alcançar o câmbio político tão desejado. As organizações civis, universidades, sindicatos, academias, empresários e trabalhadores, indígenas e jovens devem esforçar-se para restaurar os direitos democráticos da nação”, sublinha o documento.

Segundo os bispos “é necessário acompanhar o protesto pacífico” no país e “um roteiro claro para a transformação política, democrática e civil”.

Por outro lado, lembram que há escassez de alimentos, deficiências nos serviços públicos e desrespeito pelos direitos mais elementares, uma situação “que se agravou com a pandemia”.

Os bispos dizem ainda que o Governo venezuelano “tem demonstrado a sua incapacidade para responder aos grandes problemas nacionais e as suas ações tendem a agravá-los”.

“Parece que o seu único objetivo é permanecer no poder a todo o custo, sem que lhe importe quanto sofrimento represente para o povo venezuelano. Por outro lado, os setores da oposição mostram-se divididos e sem apresentar uma verdadeira alternativa de mudança”, explicam.

Segundo a CEV os venezuelanos estão “oprimidos e cansados de não encontrar respostas a reivindicações justas” e estão a organizar de maneira quase espontânea “protestos constitucionais pacíficos” no país.

“No entanto, a resposta das autoridades, é a censura informativa, a repressão dos organismos policiais, militares e a perseguição política pela via judicial. Condenamos este modo de ação por ser contrário aos princípios democráticos consagrados na nossa legislação e um ataque direto à soberania popular que tem o direito de expressar-se”, avança o documento.

A CEV alerta ainda que há, de novo, venezuelanos “vendendo os seus poucos haveres” e iniciando longas caminhadas até às fronteiras, para abandonar o país.

“Mais do que emigrar, fogem de um país que não lhes oferece garantias de uma vida digna”, explicam, sublinhando que estes caminhantes “estão sujeitos ao desprezo de alguns concidadãos” e sofrem “maus tratos das autoridades militares e policiais que ao longo do caminho os revistam e lhes arrebatam os haveres e o dinheiro que levam”.

Para os bispos “a natureza do regime governamental ficou exposta, mais uma vez, pelo relatório do Comité de Direitos Humanos e pelo recente Relatório do grupo de peritos da Missão Internacional Independente da ONU e da União Europeia”.

“Todos esses relatórios sobre os Direitos Humanos, devastadores pelo realismo, ficaram aquém da realidade que existe no país. Os Direitos Humanos não podem ser só para os políticos. A dignidade das pessoas é amplamente desrespeitada e muitas situações constituem crimes que lesam a humanidade”, explicam, pedindo que “os responsáveis pelas execuções extrajudiciais, desaparecimentos forçados, detenções arbitrárias e tortura sejam julgados”.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoPolítica

Governo e oposição da Venezuela saem 'em resgate' do diálogo

Economia

Ministro do Petróleo do Irão visita Venezuela para 'construir rotas' contra sanções americanas

Política

Maduro pede que Turquia aumente investimentos na Venezuela

MundoPolítica

Argentina quer restabelecer relações plenas com Venezuela

Assine nossa Newsletter