Cabo Verde corta em carros, alugueres e consultoria para equilibrar contas públicas - Plataforma Media

Cabo Verde corta em carros, alugueres e consultoria para equilibrar contas públicas

A crise económica provocada pela pandemia de covid-19 levou o Governo cabo-verdiano a fazer cortar em várias despesas públicas em 2021, suspendendo a compra de viaturas e de novos contratos para arrendamento de imóveis ou de consultoria.

As medidas constam dos documentos de suporte à proposta de lei do Orçamento do Estado para 2021, o último elaborado pelo Governo na atual legislatura, face à previsão de realização de eleições legislativas até março próximo.

O défice das finanças públicas de Cabo Verde deverá atingir -8,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021, devido à crise provocada pela pandemia de covid-19, após um máximo histórico de 11,4% em 2020, segundo o Governo.

Para o exercício orçamental do próximo ano, entre outras medidas de equilíbrio das contas públicas, o Governo prevê que fiquem “suspensas as despesas públicas decorrentes” de atividades como a celebração de novos contratos de arrendamento de imóveis e de aluguer de veículos.

Igualmente suspensa em 2021 fica a “contratação de consultoria e renovação dos contratos existentes”, embora “admitindo-se a prorrogação em casos excecionais, devidamente justificados e submetidos à apreciação do Ministério das Finanças”, o mesmo acontecendo com a aquisição de imóveis e de veículos.

Está prevista ainda a “redução da frota automóvel” do Estado, cujas viaturas passam a ser atribuídos “apenas por órgão de soberania, membros do Governo, serviços de fiscalização e de resposta sanitária”.

Reduzir 40%

Nas previsões de cortes em 2021 o Governo inscreveu o objetivo de reduzir 40%, em relação ao Orçamento Retificativo deste ano, aprovado em agosto, as “verbas previstas com honorários, consultoria, estudos e outras assistências técnicas”.

“Procurando usar a capacidade existente na administração pública, ao nível de recursos humanos”, lê-se no documento.

De igual forma fica suspensa a contratação pelo Estado de cursos, seminários ou simpósios para formação de servidores públicos, que envolvam “pagamento de inscrições, aquisição de passagem aérea, nacional e internacional, e concessão de diárias e verba de deslocação”, passando a ser “priorizada” a formação à distância.

Contudo, o Governo assume que estes cortes “não se aplicam aos serviços públicos que atuam em reposta à covid-19”, mas condicionando essas eventuais despesas “à existência de disponibilidade orçamental e à capacidade financeira do Estado”.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoPolítica

Team Biden: Quem são os escolhidos pelo presidente eleito dos EUA?

PolíticaPortugal

Estado de emergência endurece. Saiba as novas medidas

ChinaEconomia

China prepara medidas após incumprimento de empresas estatais

PolíticaPortugal

Costa negoceia plano B para fazer a ponte até virem subvenções da UE

Assine nossa Newsletter