Nagorno-Karabakh: Rússia assume preocupação com aumento de vítimas civis - Plataforma Media

Nagorno-Karabakh: Rússia assume preocupação com aumento de vítimas civis

A Rússia manifestou hoje a sua preocupação “com o aumento do número de baixas entre a população civil” no conflito entre as forças separatistas arménias em Nagorno-Karabakh e o exército do Azerbaijão pelo oitavo dia consecutivo.

Depois de falar ao telefone com o chefe da diplomacia arménia, Zohrab Mnatsakanian, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, assumiu publicamente ter apelado a “um cessar-fogo o mais rapidamente possível” naquela região.

A posição russa em defesa da pacificação na região de Nagorno-Karabakh junta-se às palavras de outros líderes mundiais nos últimos dias, como o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e a chanceler alemã Angela Merkel.

O novo confronto armado na região de Nagorno-Karabakh completou uma semana de intensos combates no sábado, sem haver qualquer sinal de que a Arménia e o Azerbaijão estejam dispostos a discutir um cessar-fogo.

No centro das deterioradas relações entre Erevan e Baku encontra-se a região do Nagorno-Karabakh, no Cáucaso do Sul onde há interesses divergentes de diversas potências, em particular da Turquia, da Rússia, do Irão e de países ocidentais.

Este território, de maioria arménia, integrado em 1921 no Azerbaijão pelas autoridades soviéticas, proclamou unilateralmente a independência em 1991, com o apoio da Arménia.

Na sequência da uma guerra que provocou 30.000 mortos e centenas de milhares de refugiados, foi assinado um cessar-fogo em 1994 e aceite a mediação do Grupo de Minsk, constituído no seio da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, mas as escaramuças armadas permaneceram frequentes.

Em julho deste ano, os dois países envolveram-se em confrontos a uma escala mais reduzida que provocaram cerca de 20 mortos. Os combates recentes mais significativos remontam a abril de 2016, com um balanço de 110 mortos.

Assine nossa Newsletter