Guiné-Bissau não foi informada oficialmente do fecho da fronteira pela Guiné-Conacri - Plataforma Media

Guiné-Bissau não foi informada oficialmente do fecho da fronteira pela Guiné-Conacri

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau, Susy Barbosa, lamentou hoje que a Guiné-Conacri não tenha informado oficialmente as autoridades de Bissau sobre o encerramento de fronteiras

“É normal que havendo eleições procedam ao encerramento das fronteiras, não vemos isso como nada de anormal, até porque as eleições serão dentro de poucos dias. O que consideramos, até por uma questão de diplomacia e de bom relacionamento entre países vizinhos, é que seria de bom tempo informar esses países”, afirmou, em declarações à Lusa, a chefe da diplomacia guineense.

A Guiné-Conacri decretou, a 29 de setembro, o encerramento das suas fronteiras com a Guiné-Bissau, Senegal e Serra Leoa por razões de segurança e no contexto da campanha eleitoral para as presidenciais de 18 de outubro.

“Soubemos que encerraram as fronteiras não só com a Guiné-Bissau, mas também com o Senegal, não entendemos que haja motivos de segurança que justifiquem esse fecho sem comunicar às autoridades de ambos os países”, disse Susy Barbosa, salientando que a Guiné-Bissau não se pretende ingerir nos assuntos da Guiné-Conacri.

Na Guiné-Bissau residem milhares de guineenses de Conacri, que depois de terem tido dificuldades em registar-se no consulado em Bissau começaram a tentar regressar ao país para votar.

Em março registaram-se conflitos em Bissau junto ao consulado da Guiné-Conacri, levando à intervenção policial.

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, tem relações tensas com o seu homólogo guineense Alpha Condé, que tem estado envolvido nos esforços diplomáticos para tentar resolver as crises políticas recorrentes na Guiné-Bissau.

A ausência de qualquer representante da Guiné-Conacri em 24 de setembro nas cerimónias de independência em Bissau foi notada.

Alpha Condé, 82 anos, o primeiro Presidente da Guiné-Conacri democraticamente eleito em 2010 após décadas de regime autoritário, foi reeleito em 2015.

Num referendo realizado em março, fez aprovar uma nova Constituição que mantém o limite de dois mandatos presidenciais, mas o chefe de Estado e os seus apoiantes argumentam que esta mudança na lei fundamental repõe a contagem de mandatos presidenciais a zero.

Os seus opositores denunciam um “golpe constitucional” e manifestações de contestação a uma nova candidatura de Condé mobilizaram milhares de guineenses em várias ocasiões desde outubro de 2019.

Related posts
MacauSociedade

Governo de Macau avalia medidas de abertura das fronteiras

Mundo

Vacinas contra Ébola chegam à Guiné

Guiné declara novo surto de ébola

PolíticaPortugal

Espanha decreta controlo de fronteiras com Portugal

Assine nossa Newsletter