Cabo Verde cobra 100 euros a viajantes por testes à covid-19 - Plataforma Media

Cabo Verde cobra 100 euros a viajantes por testes à covid-19

O Governo cabo-verdiano fixou em 100 euros o valor a cobrar pelo Serviço Público de Saúde para testes de despiste da covid-19 para passageiros com viagens internacionais, 21% abaixo do valor nos privados.

A medida consta de uma portaria conjunta dos ministérios da Saúde e da Segurança Social e das Finanças, que entrou hoje em vigor e que permanece válida durante o período de pandemia, inserindo-se na estratégia de reabertura de fronteiras que o arquipélago iniciou em agosto.

A portaria estabelece o preço fixo de 11.000 escudos (100 euros) para a realização do teste RT-PCR para a identificação do novo coronavírus, para passageiros de voos internacionais. A realização destes testes no quadro da investigação epidemiológica de novos casos, realizada pelas autoridades de saúde, não sofre alterações, pelo que os custos continuam a ser suportados pelo Estado.

Cabo Verde suspendeu desde 19 de março os voos internacionais regulares para o arquipélago, para conter a pandemia de covid-19. Contudo, desde 01 de agosto que Cabo Verde e Portugal mantêm um corredor aéreo para voos essenciais, com a obrigatoriedade de apresentação de testes negativos para covid-19 nos dois sentidos.

A Entidade Reguladora Independente da Saúde (ERIS) de Cabo Verde fixou em 14.000 escudos (127 euros) o preço máximo a cobrar pelos laboratórios do arquipélago pela realização de testes de despiste à covid-19, valor que foi contestado publicamente, nomeadamente por partidos da oposição.

Cabo Verde contava até ao final do dia 23 de setembro com um acumulado de 5.412 casos de covid-19 desde 19 de março, com registo de 54 mortos.

Artigos relacionados
MundoPolítica

Presidente da Polónia testou positivo à Covid-19

AngolaSociedade

Angola está no “limiar do estado de emergência”

BrasilSociedade

Metade dos moradores de São Paulo e Rio deixaria as cidades se pudesse

BrasilSociedade

No Brasil, casos de covid-19 caem 19% e mortes diminuem 17%

Assine nossa Newsletter