Os ricos são os que mais deixaram de ler no Brasil desde 2015 - Plataforma Media

Os ricos são os que mais deixaram de ler no Brasil desde 2015

Taxa de leitores no país caiu 4%, enquanto entre aqueles de maior rendimento o índice diminuiu 12%

Desde 2015, a queda mais brusca nos índices de leitura no Brasil ocorreu entre os mais ricos e escolarizados.

É o que mostra a quinta edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, iniciativa do Instituto Pró-Livro e do Itaú Cultural, que identificou uma diminuição de 4% no nível geral de leitura no país.

Hoje, 52% dos brasileiros têm o hábito da leitura —o que define um leitor, para a pesquisa, é ter lido um livro nos últimos três meses, inteiro ou em partes— e três em cada dez pessoas declaram ter dificuldade de compreender um livro.

De todas as faixas de renda familiar, a que mais caiu foi a que recebe mais de dez salários mínimos, com uma redução de 12 pontos percentuais, de 82% para 70%. O estrato de cinco a dez salários mínimos caiu 11 pontos. Todas as faixas inferiores tiveram reduções menores, de no máximo quatro pontos percentuais.

O percentual de pessoas com ensino superior que se declara leitor caiu de 82% para 68%. Também foi a queda mais acentuada entre todos os níveis de escolaridade.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Artigos relacionados
BrasilCultura

Chico Buarque, Martinho da Vila e Nélida Piñon são finalistas do prémio Jabuti

CulturaMoçambique

Feira do Livro de Maputo em edição virtual

CulturaMundo

Morreu Quino, o criador de Mafalda

CulturaMacau

Festival Literário de Macau encurtado em tempo de Covid-19, começa a 2 de outubro

Assine nossa Newsletter