A pandemia separou-os. Cinco meses depois conseguiram casar-se - Plataforma Media

A pandemia separou-os. Cinco meses depois conseguiram casar-se

A cerimónia estava marcada para maio, na Malásia, mas os noivos não só ficaram impedidos de casar como de se encontrarem, porque um vivia nos EUA e outro em Londres

Piriyah e Sandeep Krishnan conheceram-se por acaso, através de uma aplicação de encontros. Ela, uma advogada a viver no Reino Unido, não queria manter relações à distância, ele, um médico em trânsito da Índia para os EUA, onde vive, fez uma escala de uma hora em Londres, e decidiu ligar a app, que lhe mostrou Piriyah. Apaixonaram-se e marcaram casamento, mas com a pandemia não só a cerimónia foi cancelada, como os noivos deixaram de conseguir encontrar-se devido às restrições às viagens aéreas.

Agora, cinco meses depois, conseguiram finalmente casar – o que permitia à advogada viajar para os EUA. E foi na Escócia que encontraram quem os ajudasse a reunir-se.

Foi no caminho de regresso de uma viagem de uma missão médica à Índia que o cardiologista britânico Sandeep fez uma escala em Londres.

“Eu estava em Heathrow e tinha 20 ou 30 minutos [de tempo de espera] então liguei a aplicação a imaginar como seriam as mulheres indianas na Europa. Fiquei curioso. Então, vi o rosto de Piriyah e pensei ‘oh, ela é linda’. “Eu tinha que falar com ela, então deslizei para a direita e não pensei mais sobre isso”, contou à BBC.

Em Londres, Piriyah também tinha deslizado para a direita ao encontrar um médico bonito na aplicação. Quando se inscreveu na app de namoro, tinha sido muito específica ao dizer que não queria um relacionamento à distância.

Leia mais em Diário de Notícias

Este artigo está disponível em: English

Related posts
EconomiaMacau

Jogo em Macau regista em maio recorde de receitas desde início da pandemia

MundoSociedade

Segundo ano da pandemia causa mais mortes, alerta OMS

EconomiaMundo

"Impacto da pandemia no mundo do trabalho é quatro vezes maior do que foi em 2008"

MacauSociedade

Medidas contra pandemia em Macau devem continuar de forma “rigorosa”

Assine nossa Newsletter