A pandemia separou-os. Cinco meses depois conseguiram casar-se - Plataforma Media

A pandemia separou-os. Cinco meses depois conseguiram casar-se

A cerimónia estava marcada para maio, na Malásia, mas os noivos não só ficaram impedidos de casar como de se encontrarem, porque um vivia nos EUA e outro em Londres

Piriyah e Sandeep Krishnan conheceram-se por acaso, através de uma aplicação de encontros. Ela, uma advogada a viver no Reino Unido, não queria manter relações à distância, ele, um médico em trânsito da Índia para os EUA, onde vive, fez uma escala de uma hora em Londres, e decidiu ligar a app, que lhe mostrou Piriyah. Apaixonaram-se e marcaram casamento, mas com a pandemia não só a cerimónia foi cancelada, como os noivos deixaram de conseguir encontrar-se devido às restrições às viagens aéreas.

Agora, cinco meses depois, conseguiram finalmente casar – o que permitia à advogada viajar para os EUA. E foi na Escócia que encontraram quem os ajudasse a reunir-se.

Foi no caminho de regresso de uma viagem de uma missão médica à Índia que o cardiologista britânico Sandeep fez uma escala em Londres.

“Eu estava em Heathrow e tinha 20 ou 30 minutos [de tempo de espera] então liguei a aplicação a imaginar como seriam as mulheres indianas na Europa. Fiquei curioso. Então, vi o rosto de Piriyah e pensei ‘oh, ela é linda’. “Eu tinha que falar com ela, então deslizei para a direita e não pensei mais sobre isso”, contou à BBC.

Em Londres, Piriyah também tinha deslizado para a direita ao encontrar um médico bonito na aplicação. Quando se inscreveu na app de namoro, tinha sido muito específica ao dizer que não queria um relacionamento à distância.

Leia mais em Diário de Notícias

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
Editorial

Novo Normal: a anormalidade…

FuturoMundo

O SARS-CoV-2 é transportado pelo ar. Por que razão ainda estamos a limpar as superfícies?

BrasilFuturo

Covid-19: Brasil deve assinar 'cartas de intenção' sobre cinco vacinas, mas não garante compra

ChinaSociedade

Estudo em Wuhan indica que assintomáticos podem não contagiar

Assine nossa Newsletter