Vacina da BCG pode ajudar a tornar a covid-19 menos grave - Plataforma Media

Vacina da BCG pode ajudar a tornar a covid-19 menos grave

Cientistas confirmam baseados em estudos que confirmam correlação positiva entre a imunização contra a tuberculose e uma menor severidade da covid-19.

ideia andava no ar e estudos preliminares já apontavam para uma relação estreita entre a administração generalizada da vacina da BCG (contra a tuberculose) e um perfil epidémico menos gravoso da covid-19. Mas agora há mais estudos que reforçam esta hipótese e que indicam novos caminhos a explorar no combate à pandemia.

Uma das investigações, que foi realizada por cientistas de Israel, das universidades Ben-Gurion do Negev e de Jerusalém, mostra essa associação entre a vacina e uma menor severidade da covid-19, que “é preciso explorar”, segundo os seus autores.

Até agora, um dos mais abrangentes e detalhados sobre esta questão, o estudo analisou dados de 55 países, incluindo de Portugal, que concentram 63% da população mundial, e confirmou que os programas de vacinação para a BCG estão sistematicamente associados a menores taxas, não apenas da infeção pelo novo coronavírus mas também da mortalidade por milhão de habitantes devido à infeção.

Os resultados foram publicados na semana passada na revista científica Vaccines e mostram que a correlação positiva tanto na taxa de infeção como na de mortalidade é sobretudo significativa para as idades mais jovens, até aos 24 anos, e nos que receberam a vacina nos últimos 15 anos.

A equipa, que foi liderada por Nadav Rappoport, da Universidade Ben-Gurion do Negev, não encontrou, no entanto, esta correlação positiva nos adultos com idades mais avançadas e também foram vacinados com a BCG.

“Os nossos resultados sugerem que é importante explorar os protocolos da vacina da BCG no contexto de atual pandemia”, afirmou o coordenador do estudo, sublinhando que “já se iniciaram, entretanto, alguns ensaios clínicos para testar de forma mais aprofundada a eficácia da vacinação com a BCG neste contexto”.

Leia mais em Diário de Notícias

Assine nossa Newsletter