Estudo 'tranquilizador' sobre o risco de transmissão do vírus em aviões - Plataforma Media

Estudo ‘tranquilizador’ sobre o risco de transmissão do vírus em aviões

O uso de máscaras para prevenir a disseminação do coronavírus não era comum em março, quando um grupo de turistas alemães fez um longo voo de Israel para casa – mas os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que apenas dois passageiros de fora do grupo tinham sido infetados.

Um estudo publicado na terça-feira no JAMA Network Open, virologistas de um hospital universitário em Frankfurt, Alemanha, falaram com todos os passageiros do voo – nenhum dos quais usava máscara na época – para examinar o real risco representado pela presença de viajantes infectados com COVID-19.

No dia 9 de março, 102 passageiros embarcaram no voo Tel Aviv-Frankfurt que durou quatro horas e 40 minutos, incluindo um grupo de 24 turistas.

As autoridades alemãs foram alertadas de que o grupo tinha estado em contacto com um gerente de hotel infectado em Israel e decidiram testar os 24 turistas na chegada em Frankfurt.

Sete deles deram positivo, tal como outros sete mais tarde.

Quatro a cinco semanas depois, os pesquisadores contactaram os outros 78 passageiros do voo, 90% dos quais responderam. Os pesquisadores perguntaram com quem eles tinham estado em contacto e quais os sintomas que apresentavam. Vários passageiros realizaram exames.

Eles descobriram que dois passageiros provavelmente foram infetados durante o voo: as duas pessoas sentadas no corredor dos sete casos originais.

Para vírus respiratórios, os especialistas tradicionalmente consideram a zona de contágio num avião duas filas de assentos à frente da pessoa infectada e duas filas atrás.

Mas, surpreendentemente, uma pessoa sentada na fila (assento 44K) diretamente à frente de dois dos turistas infetados (assentos 45J e 45H) não foi infectada.

“Esta pessoa da fila 44 disse que teve uma longa conversa e falava muito tempo com ambos da fila 45”, disse à AFP Sandra Ciesek, chefe do Instituto de Virologia Médica de Frankfurt, observando que o mais surpreendente é que ele não foi infectado.

Os dois passageiros sentados diretamente atrás de outro turista infectado também não contraíram COVID-19.

“Ficamos surpresos ao encontrar apenas duas transmissões prováveis”, disse Sebastian Hoehl, do mesmo instituto de Frankfurt.

Os restantes passageiros não foram testados, por isso os pesquisadores não puderam excluir que alguns deles pudessem estar infetados. O estudo ressalta que, em qualquer caso, a transmissão viral em um avião é realmente possível se os passageiros não estiverem a usar máscaras.

Mas, Hoehl observou que “como a taxa foi menor do que esperávamos e como nenhum dos passageiros usava máscara acho que é reconfortante não termos conseguido detetar mais” casos.

Os pesquisadores também disseram que vários estudos sobre voos de repatriamento de Wuhan, China, no início da pandemia, descobriram que nenhuma transmissão ocorreu a bordo enquanto os passageiros estavam a usar máscara.

Assine nossa Newsletter