Confusão nos medicamentos dos idosos de Reguengos durou mais de 20 dias - Plataforma Media

Confusão nos medicamentos dos idosos de Reguengos durou mais de 20 dias

Relatório da Ordem dos Médicos revela que durante bem mais de uma semana médicos avisaram os superiores hierárquicos para as “péssimas condições” no lar de Reguengos.

s médicos que trataram os idosos com Covid-19 no lar de Reguengos de Monsaraz passaram bem mais de uma semana a alertar os superiores hierárquicos para as “péssimas condições” que existiam na instituição e o plano de administração de medicamentos para as doenças crónicas só começou a ser feito mais de 20 dias depois do surto ter sido detetado.

É isso que se conclui do relatório feito pela Ordem dos Médicos, a que a TSF teve acesso.

O surto, recorde-se, começou por ser detetado a 18 de junho e logo nesse dia o médico e os cinco enfermeiros chamados relatam más condições para fazer mais de uma centena de colheitas, o que impediu que fosse possível concluir a tarefa.

No dia 19 há relatos de poucos equipamentos de proteção individual na Unidade de Saúde Familiar que acompanha o surto e no dia 20 ainda há alguns doentes infetados “misturados” nos mesmos corredores e áreas comuns, com casas de banho partilhadas. Os utentes não usam máscara.

No dia seguinte, 21 de junho, os médicos que fizeram a avaliação inicial dos utentes do lar infetados reportam à direção do agrupamento de centros de saúde e à Autoridade de Saúde Pública, através de e-mail, “as péssimas condições existentes na instituição para prestação de cuidados aos utentes infetados”.

Dia 23, cinco depois da deteção do surto, os equipamentos de proteção individual eram demasiado pequenos – pondo em risco a saúde dos profissionais de saúde -, faltavam circuitos definidos para doentes infetados e os doentes continuavam sem qualquer tipo de máscara.

Leia mais em TSF

Assine nossa Newsletter