Brasil: estudos mostram que racismo perpetua fosso social - Plataforma Media

Brasil: estudos mostram que racismo perpetua fosso social

Discriminação latente prejudica negros e pardos na escola, na política e no mercado de trabalho no Brasil

Mulheres brancas têm uma vantagem salarial de 14% em relação às negras de mesma idade, escolaridade e estado de residência no Brasil. Em 2019, isso significava que, em média, as trabalhadoras pretas e pardas recebiam R$ 475 a menos por mês. Este é um de vários indicadores de estudos que mostram como o racismo ajuda a perpetuar o fosso social no Brasil.

Além de expressiva, a desigualdade de rendimentos feminina por cor da pele aumentou em relação a 2012, quando era de 11,5%, o equivalente a R$ 364 mensais (descontados a inflação do período).

No caso dos homens brasileiros, os brancos ganham 13% a mais que seus pares negros com características demográficas e educacionais semelhantes. Esse percentual, que representava R$ 624 a menos recebidos pelos pretos e pardos por mês em 2019, oscilou pouco nos últimos sete anos.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Artigos relacionados
MundoPolítica

Quatro polícias franceses acusados por agressão brutal a produtor negro

BrasilSociedade

Artista negro morre baleado por polícia em São Paulo

MundoSociedade

França suspende polícias após agressão brutal a produtor musical negro que durou 20 minutos

BrasilSociedade

Polícia brasileira detém funcionária do Carrefour envolvida na morte de cidadão negro

Assine nossa Newsletter