Cristina Ferreira regressa à TVI e torna-se accionista da Media Capital - Plataforma Media

Cristina Ferreira regressa à TVI e torna-se accionista da Media Capital

A apresentadora Cristina Ferreira regressa à TVI em setembro como diretora de entretenimento e ficção e manifestou interesse junto da Prisa em comprar uma participação no capital social da dona da estação, divulgou na sexta-feira a Media Capital.

Em comunicado, a Media Capital refere que é “com grande satisfação” que anuncia que “a TVI acaba de acordar com Cristina Ferreira a sua contratação como diretora de entretenimento e de ficção”.

“Este regresso à sua casa de sempre enche-nos de satisfação. Cristina Ferreira é querida dos portugueses e esta contratação reforça a estratégia do grupo Media Capital de estar mais próximo das suas audiências, enriquecendo as áreas de entretenimento e de ficção do canal”, afirma Manuel Alves Monteiro, presidente executivo da dona da TVI, citado em comunicado.

“Sabemos que a Cristina Ferreira manifestou já junto da Prisa a intenção de adquirir uma participação no capital social da empresa, a concretizar-se, esse facto reforçará a ligação de Cristina ao grupo e dará um significado ainda mais profundo a este regresso à TVI”, acrescenta.

A apresentadora, de 42 anos, vai iniciar “funções no próximo dia 01 de setembro”.

Em comunicado, Cristina Ferreira refere o regresso à TVI, donde saiu em 2018, confirmando ter manifestado a sua intenção de compra de participação na Media Capital, “com o intuito de vir a tornar-se também acionista do canal televisivo”.

Cristina Ferreira regressa à estação de Queluz quase dois anos depois da sua saída: “Trata-se de um regresso à casa mãe, com funções distintas e um projeto ambicioso ao qual era impossível dizer que não. É uma escolha conduzida pelo afeto com a firme vontade de contribuir para recolocar a TVI no coração de todos os portugueses”, afirma a apresentadora, citada no comunicado.

“Cristina mostrará novas facetas da sua atividade profissional, além da conhecida enquanto apresentadora”, é referido.

“Neste momento de saída, não posso deixar de agradecer à SIC, à sua administração, a oportunidade que me foi concedida e a possibilidade de trabalhar com profissionais de exceção. O meu muito obrigada a todos. A SIC é uma estação de televisão de referência, onde fui muito bem acolhida e para a qual formulo votos de maior sucesso profissional para o futuro”, conclui a apresentadora.

Entretanto, a SIC referiu que Cristina Ferreira “decidiu cessar unilateralmente a sua ligação à SIC, colocando termo ao contrato que a vinculava até 30 de novembro de 2022”.

A SIC “lamenta a decisão abrupta e surpreendente, mas apesar da desilusão, quer agradecer o trabalho de Cristina Ferreira desenvolvido ao longo deste curto, mas intenso período, no seio de uma equipa vencedora, que continuará a empenhar o seu talento e profissionalismo para merecer a confiança do público”, acrescenta.

“A SIC informa ainda que reserva todos os seus direitos em face desta situação”, conclui.

O anúncio do regresso de Cristina Ferreira à TVI acontece um dia depois de ter sido anunciado que Manuel Alves Monteiro era o novo presidente executivo da Media Capital, na sequência da renúncia de Luís Cabral ao cargo, e da nomeação de Nuno Santos como diretor-geral da estação de Queluz.

Há quase dois anos, mais precisamente em agosto de 2018, a TVI anunciava a saída de Cristina Ferreira, após 16 anos na empresa.

Em 07 de janeiro de 2019, a apresentadora arrancava com o “Programa da Cristina” na SIC, que estreou a liderar, atingindo um resultado histórico de 40,1% de ‘share’, valor que a estação não registava desde 2002.

Há cerca de dois meses, mais concretamente em 14 de maio, o empresário Mário Ferreira comprou 30,22% da Media Capital, através da Pluris Investments, numa operação realizada por meio da transferência em bloco das ações por 10,5 milhões de euros.

Com a cessação unilateral do contrato com a SIC, Cristina Ferreira deverá ter de ressarcir o canal em, pelo menos, quatro milhões de euros, de acordo com fonte ligada ao processo. Daquele montante, dois milhões de euros correspondem ao salário.

A Lusa contactou fonte oficial da SIC sobre o tema, que remeteu qualquer comentário para o comunicado enviado ao final do dia.

Assine nossa Newsletter