As mochilas pesam mais do que as crianças - Plataforma Media

As mochilas pesam mais do que as crianças

Políticas educativas: Parte I

Até aos 2 anos a vinculação e a segurança emocional das crianças são fundamentais para o seu desenvolvimento. Mas a atual legislação não permite que, por opção, um dos progenitores possa dedicar este tempo aos cuidados e desenvolvimento da criança. 

Após esta fase, a socialização e a aprendizagem em contextos de estimulação intencionalizada passam a ter um papel essencial na vida das crianças e das famílias. A educação pré-escolar assume-se como privilegiada na deteção precoce de problemas, orientação e encaminhamento, devendo ser universal a partir dos 3 anos de idade, garantindo uma rede capaz de dar resposta a todas as crianças. Mas este tempo de crescimento é ainda um tempo de brincar e explorar. Cada criança tem o seu ritmo, e este deve ser respeitado garantindo que, mediante o seu desenvolvimento e necessidades, cada uma possa fazer ou não uso do descanso através da sesta, o que ainda não é uma realidade em Portugal.

Por que precisam as crianças de estar tanto tempo na escola? A resposta é simples: porque os pais/mães têm que trabalhar demasiadas horas

O 1º ciclo marcará para sempre a vida das crianças e das suas famílias e atualmente é sobrecarregado de tarefas e horários. De repente, exige-se que as mesmas crianças, referidas no parágrafo anterior, passem horas sentadas e atentas, com trabalhos de casa que roubam o tempo em família. Entre a casa e a escola a realidade é esta: mochilas mais pesadas do que as crianças. E aqui espreita o primeiro perigo, o da rejeição e medo da escola. O insucesso. Por que precisam as crianças de estar tanto tempo na escola? A resposta é simples: porque os pais/mães têm que trabalhar demasiadas horas. Por que precisam de aprender mais rápido do que o seu ritmo exige? A resposta é simples: porque em vez de serem vistas como crianças, são vistas como reflexo do mundo competitivo que construímos. O peso dos livros simboliza a carga de tarefas e conteúdos excessivos nestas idades. Deixa de haver tempo para a acomodação das aprendizagens, só existe tempo para a assimilação. Das funções cognitivas privilegia-se a memória. Há que ter a coragem política de reduzir os conteúdos programáticos. E mesmo com tantos conteúdos programáticos, continua a faltar na transversalidade a literacia emocional e a educação para o tratamento digno dos animais, a par de uma educação ambiental que permita a compreensão e a leitura do mundo. 

Promove-se a saúde e afirma-se que a atividade física e a alimentação são essenciais ao nosso bem-estar. Mas as políticas e práticas educativas desvalorizam disciplinas como a educação física ou o desporto escolar. E como se pode dizer que se combate a obesidade das crianças e se promove a alimentação saudável quando os cadernos de encargos aprovados para a alimentação nas nossas escolas olham mais para o preço do que para a qualidade nutricional das ementas nas cantinas? Ou quando a legislação de introdução da alimentação vegetariana não se faz acompanhada de formação e apoio para a sua implementação e esclarecimentos junto dos agrupamentos, das crianças e das famílias? Sem medos ou preconceitos, mas de forma informada, esclarecida e consciente. 

Em jeito de finalização desta primeira parte, na nossa visão de Educação é fundamental que se crie espaço para falar de escolhas, mais do que orientação. A vida adulta é feita de opções, ganhos e perdas, projetos e mudanças. A orientação escolar e profissional não deve nem pode ser uma instrumentalização de escolhas, mas tem, sim, de ter os profissionais necessários para facilitar às nossas crianças e jovens o conhecimento de si e do mundo, de desenvolvimento de competências de análise de informação, de responsabilidade e tomada de decisão. Neste caminho os profissionais da educação e o pessoal não docente continuam sem a devida valorização e reconhecimento, o que é fundamental resolver politicamente. 

Mais sobre educação em análise, na próxima semana.

*Deputada do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) – Portugal

Este artigo está disponível em: English

Related posts
BrasilSociedade

Liceu Coração de Jesus fecha as portas aos 137 anos por causa da cracolândia

CulturaMacau

“É uma proposta nova no âmbito do ensino do português”

ChinaPolítica

Xi pede abertura para desenvolver universidades de classe mundial

Eleitos

Nascemos nus

Assine nossa Newsletter