Cidadãos em extrema pobreza obrigados a pagar por serviços públicos - Plataforma Media

Cidadãos em extrema pobreza obrigados a pagar por serviços públicos

Os cidadãos que vivem em pobreza extrema são os que que mais se vêm obrigados a “pagar gasosa” para beneficiarem dos serviços públicos a que têm direito, revela um estudo desenvolvido pelo Centro de Estudos de Opinião Pública Ovilongwa, parceiro angolano do Afrobarometer, a que O PAÍS teve acesso

O resultado aponta que a maioria dos angolanos em situação de pobreza extrema, privados dos direitos sociais de cidadania, enfrentam mais dificuldades, comparativamente aos outros sem pobreza, para terem acesso aos serviços como assistência médica e medicamentosa, policial, fornecimento de energia eléctrica e de água potável.

Durante a pesquisa, que decorreu entre 27 de Novembro e 27 de Dezembro 2019, foram inquiridos 2.400 angolanos adultos, o que, para os seus autores, produz resultados nacionais com uma margem de erro de +/- 2 pontos percentuais e um nível de confiança de 95%.

A inserção das pessoas no sistema de ensino consta entre as principais dificuldades que a sociedade angolana enfrenta. Porém, no seio das pessoas que vivem em situação de pobreza extrema são bem maiores. A percentagem é de 55% pessoas que afirmam enfrentar essas dificuldades, enquanto nos meios “sem pobreza”, somente 40% das pessoas têm de lidar com isso.

Leia mais em O País

Artigos relacionados
AngolaPolítica

João Lourenço: "Manifestações não têm de acabar em violência"

BrasilSociedade

Em 2018, 12,1% dos brasileiros viviam abaixo da linha de pobreza

AngolaEconomia

Privatização da TAAG prevista para 2022

AngolaPolítica

Obras do metro de superfície de Luanda começam em Janeiro

Assine nossa Newsletter