Portugal pior que a Suécia na resposta à pandemia - Plataforma Media

Portugal pior que a Suécia na resposta à pandemia, diz estudo de Cambridge

Ranking que surge no Relatório Anual de Desenvolvimento Sustentável coloca Portugal em 25.º entre 33 países da OCDE na resposta à pandemia. À frente de nações como a Espanha que foi a pior na gestão da crise. Mas França. Reino Unido, Itália e EUA também estiveram mal. Os países asiáticos responderam melhor

Portugal está entre os países que teve uma resposta menos eficaz à pandemia de covid-19. O resultado é do relatório de uma equipa da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, que analisa anualmente os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Num ranking específico sobre a reação ao surto, Portugal surge em 25.º lugar entre 33 países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) avaliados.

A lista tem Espanha como o país com pior gestão e a Coreia do Sul como o estado que melhor respondeu à pandemia.

Atrás de Portugal surgem neste ranking, além da Espanha, e por ordem do melhor para o pior, Turquia, Irlanda, EUA, Itália, França, Reino Unido e Bélgica. Os autores admitem que “alguns países podem ter sido penalizados artificialmente nos dados apresentados nesta tabela devido à sua mais completa notificação de mortes por covid-19 (contando os casos prováveis bem como casos testados)“.

A Suécia, tida como mau exemplo na reação à crise sanitária, surge em 22.º lugar, três acima de Portugal.

Por outro lado, o relatório recorre a indicadores para classificar a resposta de emergência à covid-19, incluindo a taxa de contágio e o grau de controlo na propagação do surto, além da evolução do número de pessoas mortas. Considera também o declínio na mobilidade, algo que se verificou muito em Portugal.

“Este índice sobre controlo da covid-19 resume o desempenho de cada país em três dimensões (taxa de mortalidade, taxa de contágio rápido e eficiência de controlo). Estudamos todos os países da OCDE, exceto os três países de renda média da América Latina (Chile, Colômbia e México), onde o vírus chegou mais tarde, e Islândia devido à falta de dados relevantes sobre a mobilidade física, que usamos para construir o índice de eficiência”, explicam os investigadores de Cambridge.

Leia mais em Diário de Notícias

Related posts
Mundo

Autoridade Palestina anula acordo de vacinas anticovid com Israel

Desporto

Japão suspenderá estado de emergência um mês antes dos Jogos de Tóquio

EconomiaMundo

Países da zona euro devem manter “postura orçamental de apoio” em 2022

Mundo

OMS designa como variante Lambda o SARS-CoV-2 presente na América Latina

Assine nossa Newsletter