Activista:“Um país, dois sistemas” já não é útil para Taiwan

Activista:“Um país, dois sistemas” já não é útil para Taiwan

O activista Jason Chao considera que a nova lei de segurança nacional em Hong Kong vem mostrar que Pequim já não precisa que Hong Kong e Macau provem que o princípio “um país, dois sistemas” funciona, no âmbito da estratégia de unificação do país. Uma situação que, avisa, terá consequências ao nível das liberdades.

“Acreditamos que a erosão de direitos e liberdades vai não só continuar, mas também ser acelerada, porque a China já não precisa de Hong Kong e Macau para promover o princípio ‘um país, dois sistemas’. Portanto, é muito provável que as autoridades de Macau incorporem na legislação local alguns elementos da lei de segurança nacional de Hong Kong,” defende o activista pró-democracia, em declarações à TDM – Rádio Macau.

Uma das possibilidades, refere, é que o território venha a alterar a forma como é definido o crime de secessão. A lei de defesa da segurança do Estado, em Macau, determina que é preciso actuar “por meio de violência ou através da prática de outros meios ilícitos graves”, mas, nota Jason Chao, o diploma em Hong Kong estipula que o crime de secessão pode “ou não” implicar “o uso de força” ou “ameaça de força”.

Leia mais em TDM

Este artigo está disponível em: English

Related posts
ChinaMacau

Liu Xianfa destaca compromisso de longo prazo do PCC com o princípio "Um país, dois sistemas"

ChinaPolítica

Taiwan: Pequim diz que reunificação está mais perto do que nunca

BrasilFuturo

Tecnologia: Instituto brasileiro e universidade de Taiwan estudam 6G

ChinaEconomia

XX Congresso do PCC: Princípio “Um País, Dois Sistemas” com validade de longo prazo em Macau

Assine nossa Newsletter