Covid-19: União Europeia oferece materiais e equipamentos médicos à Guiné-Bissau - Plataforma Media

Covid-19: União Europeia oferece materiais e equipamentos médicos à Guiné-Bissau

A embaixadora da União Europeia na Guiné-Bissau, a portuguesa Sónia Neto, entregou hoje à alta-comissária do país para o combate ao novo coronavirus, Magda Robalo, um conjunto de equipamentos médicos, no âmbito de um pedido feito nesse sentido.

Na ocasião, Sónia Neto afirmou que o gesto se enquadra “na tão nobre missão” que é ajudar a Guiné-Bissau no combate à covid-19, disse.

Os equipamentos foram adquiridos no âmbito do Projeto de Apoio à Resposta à Pandemia de Covid-19 (PAR Covid-19) na Guiné-Bissau, implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flor, orçado em 230 mil euros.

O projeto visa a melhoria da capacidade de resposta dos serviços de saúde guineenses no capitulo de diagnóstico, monitorização, tratamento dos problemas respiratórios, uma das principais causas da morte pela Covid-19.

Ainda em resposta aos apelos das autoridades guineenses, a embaixadora da UE anunciou que disponibilizar “uma contribuição extra” no valor de 1,3 milhões de euros, a serem entregues à delegação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O lote de equipamentos médicos oferecidos hoje pela União Europeia também inclui materiais no âmbito do Programa Integrado para a Redução da Mortalidade Materno Infantil (PIMI II) na Guiné-Bissau.

Ao receber o donativo, a alta-comissária contra a covid-19 na Guiné-Bissau, Magda Robalo não escondeu a “dupla satisfação” pelos equipamentos do combate à pandemia, mas também pelos materiais para redução da mortalidade maternoinfantil.

Magda Robalo considera fundamental que reforce o sistema de saúde guineense, dando atenção às outras doenças, sob pena de o país conhecer mais mortes durante este período da pandemia.

A responsável aproveitou a ocasião “para tranquilizar” as pessoas em como o país já ultrapassou a fase crítica em termos de oxigénio e que neste momento, disse, “ninguém vai morrer por falta de oxigénio” nos hospitais.

Desde que a doença foi declarada na Guiné-Bissau, em finais de março, mais de 1700 pessoas já foram infetadas, entre as quais 25 morreram.

Artigos relacionados
BrasilChina

Wuhan volta a detetar coronavírus em carne importada do Brasil

MundoSociedade

Coronavírus circula em Itália desde setembro de 2019

MundoSociedade

Rede de tráfico de falsos testes negativos descoberta em França

BrasilSociedade

Artista brasileiro pinta máscaras para quem quer mostrar a cara

Assine nossa Newsletter