Operações de segurança deixam 1,3 mil mortos na venezuela

Venezuela: operações de segurança deixam 1,3 mil mortos em cinco meses

Dado está em relatório apresentado pela ONU em Genebra

Operações de Segurança na Venezuela mataram pelo menos 1,3 mil pessoas nos primeiros cinco meses de 2020. Esta é uma informação do Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos nessa quinta-feira (2).

A alta comissária Michelle Bachelet, que apresentou, em Genebra, relatório de 17 páginas sobre a Venezuela, disse que está “preocupada com os altos números de mortes de jovens pelas forças de segurança”. No entanto, de acordo com a mesma, estes dados referem-se a pessoas que teriam morrido enquanto resistiam às autoridades. 

Os dados oficiais da Venezuela mostram 6,7 mil homicídios em 2019 e 1,36 entre janeiro e maio deste ano. 

Os dados “não incluem as mortes violentas no contexto de operações de segurança, classificadas como ‘resistência à autoridade'”, afirmou, ainda assim, a ex-presidente do Chile. 

Das mortes em operações de segurança em 2020, pelo menos 432 foram atribuídas à unidade das Forças Policiais Especiais (Faes). As restantes foram 366 à polícia investigativa conhecida como CICPC, 136 à Guarda Nacional e 124 à polícia do estado de Zulia, diz o relatório. 

Jorge Valero, embaixador venezuelano na ONU, disse, contudo, que o relatório é baseado em “questionamentos infundados”, com o objetivo de “abastecer a agenda de agressão que se desdobra contra a Venezuela”. 

Artigos relacionados
MundoSociedade

Oito pessoas, incluindo seis turistas franceses, assassinados no Níger

MundoSociedade

"Pandemia é resposta biológica do planeta", diz físico Fritjof Capra

MundoSociedade

Estados Unidos com mais de cinco milhões de casos desde o início da pandemia

MundoSociedade

Nicolás Maduro prolonga quarentena até 13 de setembro na Venezuela

Assine nossa Newsletter

Vale a pena ler...
Autoridades venezuelanas confiscam várias armas de fogo em duas regiões do país