Arábia Saudita autorizará apenas um milhar de peregrinos em Meca - Plataforma Media

Arábia Saudita autorizará apenas um milhar de peregrinos em Meca

A Arábia Saudita vai autorizar apenas cerca de mil pessoas que vivam no seu território a realizar este ano a grande peregrinação a Meca, anunciou hoje o ministro do ‘hajj’.

Mohammed Benten, que falava numa conferência de imprensa após Riade ter anunciado a limitação do número de peregrinos devido à pandemia de covid-19, precisou que “o número de peregrinos será de cerca de mil, um pouco menos, um pouco mais”.

A peregrinação prevista para finais de julho também estará limitada a fiéis com menos de 65 anos e sem doenças crónicas, indicou o ministro da Saúde, Tawfik al-Rabiah, ao lado do ministro da Peregrinação.

Os candidatos à peregrinação serão testados para garantir que não estão infetados com o novo coronavírus antes da sua chegada à cidade santa de Meca e devem respeitar uma quarentena após o fim do ritual, adiantou.

A Arábia Saudita decidiu na segunda-feira manter neste ano de pandemia a peregrinação a Meca, um dos cinco pilares do islão, mas com um “número muito limitado” de fiéis.

Apenas as pessoas que já se encontram no país, sejam ou não cidadãos, poderão realizar o ‘hajj’, indicou a agência oficial SPA.

Em março Riade tinha suspendido a ‘umra’, a peregrinação menor, que pode ser realizada durante o ano inteiro. A Arábia Saudita também impôs um recolher obrigatório de 24 horas em Meca durante quase três meses e teve as mesquitas fechadas durante o mês do Ramadão.

O ‘hajj’, a peregrinação maior, é uma das mais importantes concentrações religiosas no mundo, que em 2019 juntou 2,5 milhões de muçulmanos, segundo os números do ministério encarregado de a organizar.

Mas a pandemia “continua a acelerar” em todo o mundo, indicou na segunda-feira a Organização Mundial de Saúde.

É o caso precisamente da Arábia Saudita, que tem uma das maiores taxas de infeção no Médio Oriente, contando com 161 mil casos, incluindo 1.307 mortos.

A pandemia de covid-19, transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro em Wuhan (China), já provocou mais de 469 mil mortos e infetou mais de 9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço da agência France Presse.

Artigos relacionados
MundoPolítica

Atraso da vacina nos países mais pobres ameaça economias desenvolvidas

BrasilPolítica

União Europeia quer quarentena de 14 dias para quem chega do Brasil

PortugalSociedade

Mais 252 mortes e 6923 casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Cabo VerdeEconomia

Estrangeiros resistem na ilha do Sal à falta do turismo

Assine nossa Newsletter