Banca de Macau quer acelerar cooperação com lusofonia - Plataforma Media

Banca de Macau quer acelerar cooperação com lusofonia

A Associação de Bancos de Macau (ABM) quer acelerar a cooperação financeira com os países lusófonos, uma promessa que surge após acordos firmados em 2019 em Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné Bissau.

A promessa foi feita durante a assinatura na quarta-feira de dois protocolos com o Instituto Politécnico de Macau (IPM), um relacionado com bolsas de estudo e outro na área da tradução automática com recurso à inteligência artificial.

O presidente da ABM, disse acreditar que, “através da assinatura dos protocolos de cooperação com o IPM, promover-se-á, de forma pragmática, a entrada em funcionamento das tecnologias financeiras em Macau, contribuindo para a obtenção de informações atualizadas sobre o desenvolvimento financeiro de Macau e do interior da China, e a respetiva divulgação efetiva para os países lusófonos, através do sistema de tradução, de modo a reforçar a ligação e a cooperação financeira”.

Citado no comunicado, Ip Sio Kai, prometeu que a associação “vai aproveitar este sistema de tradução automática para, de futuro, criar mais oportunidades de cooperação financeira entre o setor bancário de Macau e o do mundo lusófono, promovendo ainda mais o papel e a função da plataforma de serviços financeiros entre a China e os países de língua portuguesa”.

No ano passado, lembrou, a ABM, a Associação de Bancos e Instituições Financeiras de Guiné-Bissau, a Associação de Bancos de Moçambique, a Associação Portuguesa de Bancos e a Associação de Bancos de São Tomé e Príncipe assinaram um acordo que já permitiu reforçar a cooperação.

Um esforço em sintonia, salientou, com os esforços entre a associação e o setor bancário de Macau para se articularem com “uma série de políticas governativas no desenvolvimento do setor financeiro moderno, empenhando-se na construção da plataforma de serviços financeiros entre a China e os países de língua portuguesa”, pode ler-se na mesma nota.

Já o presidente do IPM, Im Sio Kei, referiu na cerimónia que o instituto tem-se dedicado a promover a combinação entre os setores industrial, académico e científico” e garantiu que o sistema auxiliar de tradução de documentos oficiais se baseia “nas técnicas mais avançadas, (…), contribuindo para elevar a eficiência do trabalho”.

O sistema foi desenvolvido pelo Laboratório de Tradução Automática Chinês-Português-Inglês do IPM, inaugurado em outubro de 2016 pelo primeiro-ministro português, António Costa.

Desde a criação do laboratório, o IPM tem investido muito na área da inteligência artificial.

O uso do “sistema auxiliar de tradução chinês-português/português-chinês de documentos oficiais” foi acordado com o Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Related posts
ChinaEconomia

Associação Comercial apela ao investimento na Grande Baía

MundoSociedade

Índia reautoriza financiamento estrangeiro às Missionárias da Caridade

ChinaEconomia

Taiwan anuncia investimento na Lituânia após bloqueio chinês

AngolaEconomia

Crédito à economia real em Angola cresce 4,68%

Assine nossa Newsletter