Início Angola Angola corta remessas de petróleo para a China

Angola corta remessas de petróleo para a China

Plataforma

Angola está a cortar o número de cargas de petróleo que costumava enviar para a China. A decisão visa renegociar os termos de pagamento para lidar com o impacto do coronavírus. É público que os embarques de petróleo para empresas estatais chinesas são usados ​​para pagar dívidas a Pequim.

Segundo a Reuters, a Sinochem, estatal chinesa, receberia cinco cargas em julho, abaixo das sete ou oito habituais, enquanto o braço comercial da gigante chinesa Sinopec, chamado Unipec, não receberia nenhuma. A Unipec normalmente recebe de duas a três cargas reservadas para pagamento de dívidas.

“Esses empréstimos em petróleo criam uma interdependência mais forte [entre credor e devedor] do que o financiamento tradicional. Essa tática de desviar cargas não é nova, como é visto noutros lugares ”, explica David Mihalyi, analista económico do Instituto de Gestão de Recursos Naturais (NRGI, na sigla inglesa) à Reuters.

Angola, altamente endividada, sofreu um preocupante impacto negativo com queda nos preços do petróleo, uma vez que depende em um terço dos seus dividendos. Um acordo global de corte de produção de petróleo liderado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) piorou o cenário em Luanda.

Em comunicado divulgado na semana passada, o Ministério das Finanças de Angola afirmou que, em consulta com o Fundo Monetário Internacional (FMI), decidiu tirar proveito da Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI) do G20. Luanda solicitou aos credores soberanos uma paralisação do serviço da dívida de empréstimos de outros governos.

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!