Agitada e sensacional entrevista com Adolfo Hitler, chefe dos nacionais-socialistas - Plataforma Media

Agitada e sensacional entrevista com Adolfo Hitler, chefe dos nacionais-socialistas

Chego a Munique, cidade-marioneta, coração musical da Baviera, às nove e meia da manhã. Que pretendo? Porque deixei Berlim e o seu jogo de luzes? (…) Para ver Hitler, para falar a Hitler, para conhecer o herói do romance, o John Gilbert da política alemã. Difícil, muito difícil, eu sei, Hitler é uma espécie de Dr. Asuero: desaparece, foge, torneja, passa como um relâmpago, está aqui, está ali, está acolá… Desconfia muito dos jornalistas, dos jornalistas latinos sobretudo, e manda-os pôr à distância pela sua escolta, pelos empregados da sua “Camisaria Castanha”. Não importa! Tentarei o raid. Se for vencido, perdoem-me… Farei tudo, tudo por vos mostrar num relâmpago, em dois minutos, a cabeça do homem, a cabeça de Hitler.

Cai neve, uma neve suspeita, artificial, de teatro moderno. Atiro as malas para um táxi e sigo para o hotel, para o Regina Palace. Na carteira, como única seta a apontar-me o caminho para Hitler, um nome difícil, um nome acrobata, de forças combinadas, como todos os nomes alemães: Ernest Hanfstaengl. É o chefe do protocolo de Hitler, o introdutor diplomático dos raros jornalistas que tentam a aventura de Munique, que não receiam as investidas guerreiras do homem da révanche.

Leia mais em Diário de Notícias.

Related posts
Lifestyle

Rolex usado na 'Grande Fuga' da II Guerra é leiloado em Nova Iorque

MundoPolítica

Partido do chanceler Scholz sofre forte derrota na principal região alemã

EconomiaMundo

Alemanha justifica continuação de compra de combustíveis russos

MundoPolítica

Áustria fecha fundo de indemnização para vítimas do nazismo

Assine nossa Newsletter