China pede aos EUA que respondam às preocupações de seu povo e do mundo sobre epidemia - Plataforma Media

China pede aos EUA que respondam às preocupações de seu povo e do mundo sobre epidemia

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, fez as observações quando solicitado a comentar o fato de que cada vez mais pessoas, nos Estados Unidos, questionavam a resposta do governo à pandemia.

“Muitos nos Estados Unidos têm se questionado preocupado se o governo tem respondido oportuna e efetivamente ao surto”, afirmou Geng numa coletiva de imprensa. “Eles querem esclarecer os fatos: Quando ocorreu o primeiro caso nos Estados Unidos? O governo norte-americano está a esconder alguma coisa? Por que está tão desesperadamente a tentar culpar outros países e organizações internacionais?”

A 4 de abril, o Washington Post publicou um artigo que apresentava uma visão panorâmica de como e por que o governo dos EUA lidou mal com a epidemia na fase inicial. Nos dias 13 e 19 de abril, nas coletivas de imprensa da Casa Branca, jornalistas da CBS e da CNN questionaram o atraso na resposta do governo dos EUA à COVID-19, mesmo já sabendo dos potenciais riscos de propagação global.

A 14 de abril, o The Atlantic mencionou num artigo que a principal razão para o enorme surto de casos nos EUA era a falta de fortes medidas governamentais.

A 21 de abril, o Los Angeles Times informou que, de acordo com os resultados da autópsia divulgados pelas autoridades de saúde do condado de Santa Clara, o primeiro caso de morte pelo novo coronavírus aconteceu na verdade a 6 de fevereiro, quase um mês antes da primeira morte oficialmente declarada pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

As autoridades de Santa Clara também alegaram que as pessoas na Califórnia podem ter sido infetadas já em dezembro do ano passado. “Esperamos que o governo dos EUA possa responder oportunamente às preocupações do seu próprio povo e da comunidade internacional.

A Organização Mundial da Saúde também pode ser convidada a ajudar a rever esse processo”, disse Geng. Observando que as doenças infecciosas são o inimigo comum de toda a humanidade, ele salientou que tanto os chineses quanto os norte-americanos são vítimas, e somente através da solidariedade e cooperação a comunidade internacional pode vencer a guerra contra o vírus.

“Esperamos que os Estados Unidos adotem uma atitude aberta, transparente e responsável, tomem medidas eficazes para salvaguardar a vida e a saúde do seu povo e trabalhem com a comunidade internacional para salvaguardar a segurança global de saúde pública”, disse Geng.

Artigos relacionados
EconomiaMundo

As lições da economia japonesa para lidar com a inflação no pós-pandemia

Editorial

Novo Normal: a anormalidade…

FuturoMundo

O SARS-CoV-2 é transportado pelo ar. Por que razão ainda estamos a limpar as superfícies?

BrasilFuturo

Covid-19: Brasil deve assinar 'cartas de intenção' sobre cinco vacinas, mas não garante compra

Assine nossa Newsletter